Executivo do Porto discute adjudicar videovigilância à Soltráfego por 795 mil euros

Executivo do Porto discute adjudicar videovigilância à Soltráfego por 795 mil euros
| Porto
Porto Canal / Agências

O executivo da Câmara do Porto discute na sexta-feira adjudicar à empresa Soltráfego a aquisição e manutenção do sistema de videovigilância, composto por 79 câmaras, pelo valor de 795 mil euros, sem IVA.

Na proposta, a que a Lusa teve esta terça-feira acesso e que será discutida na reunião privada de sexta-feira, o vereador do Urbanismo da Câmara do Porto, Pedro Baganha, propõe que a aquisição e manutenção do sistema de videovigilância sejam adjudicadas à empresa Soltráfego - Soluções de Trânsito, Estacionamento e Comunicações, S.A.

A adjudicação terá o valor de 795.471,86 euros, sem IVA, e o contrato manter-se-á em vigor por um prazo máximo de três anos a partir da data da sua assinatura.

Por ultrapassar os 750 mil euros, valor estipulado na Lei de Organização e Processo do Tribunal e Contas (LOPTC), "o contrato a celebrar está sujeito a fiscalização prévia do Tribunal de Contas", lê-se no documento.

De acordo com os documentos anexos à proposta, contabilizando o IVA, o valor do contrato ascende aos 949.931,44 euros, estando previsto um encargo de 286.385,81 euros em 2022, 603.029,63 euros em 2023, 30.258 euros simultaneamente em 2024 e 2025.

O lançamento do concurso público para aquisição e manutenção da videovigilância no Porto foi aprovado a 30 de maio pelo executivo, com os votos favoráveis do movimento independente de Rui Moreira, PS e PSD e, com os votos contra do BE e CDU, que defenderam que a solução passa por "policiamento de proximidade".

O prazo de apresentação de propostas terminou a 08 de agosto, tendo sido apresentadas 10 a concurso.

"O júri procedeu à análise das propostas, à subsequente audiência prévia dos concorrentes e à elaboração do relatório final, estando reunidas as condições necessárias para proferir a decisão de adjudicação", esclarece Pedro Baganha.

Composto por 79 câmaras fixas, o sistema de videovigilância irá abranger as artérias e espaços públicos da baixa da cidade, nomeadamente na União de Freguesias de Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, São Nicolau e Vitória.

Em 29 de março, foi publicado em Diário da República um despacho do Ministério da Administração Interna que autorizou a instalação e o funcionamento do sistema de videovigilância que funcionará "ininterruptamente" 24 horas por dia e todos os dias da semana, sendo que todas as operações devem ser "objeto de registo".

Segundo o despacho, o sistema deve ser operado de forma a "garantir a efetiva salvaguarda da privacidade e segurança", conforme já tinha sido recomendado num parecer emitido pela Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD).

"É proibida a captação de sons, exceto quando ocorra perigo concreto para a segurança de pessoas, animais e bens", nota o documento, acrescentando que o responsável pela conservação e tratamento dos dados é o chefe da área operacional do Comando Metropolitano do Porto da PSP.

+ notícias: Porto

Há crateras a nascer no centro do Porto. O que são?

Na sabedoria popular diz-se que se furarmos um poço sem fim, vamos parar à China. No outro lado do mundo. No Porto há vários poços, ou buracos, que neste momento criam a ilusão de infinito para quem olha para eles.

Modelo de organização das maternidades. Pizarro tem “absoluta confiança no trabalho da direção executiva do SNS"

O ministro da Saúde, Manuel Pizarro, inaugurou, esta sexta-feira, as novas instalações do Centro de Mama do Centro Hospitalar Universitário de São João. Já depois da inauguração, Manuel Pizarro salientou que Portugal tem um enorme sucesso no que diz respeito ao tratamento do cancro da mama. “Em 2022, atingimos 98% das pessoas que foram convocadas vieram ao rastreio”, frisou o ministro a cargo da pasta da Saúde.

Novo regulamento da Movida do Porto entra em vigor em março

O novo Regulamento da Movida do Porto, que delimita zonas e impõe restrições de horários a estabelecimentos, publicado esta sexta-feira em Diário da República, entra em vigor no dia um de março, dando dois meses aos proprietários para se adaptarem.