Câmara do Porto fala em "indefinição" da APA quanto à demolição do Edifício Transparente

| Porto
Porto Canal / Agências

O vereador do Urbanismo da Câmara do Porto disse hoje existir uma "indefinição" por parte da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) quanto à demolição do Edifício Transparente, um dos imóveis na frente marítima sobre o qual "paira incerteza". 

"Há uma indefinição por parte da APA no que diz respeito a esse e outros edifícios", afirmou Pedro Baganha, durante a discussão, em reunião do executivo, da prorrogação do prazo da primeira alteração ao Plano Diretor Municipal (PDM), fruto do Programa da Orla Costeira Caminha - Espinho (POC-CE). 

Em resposta ao vereador do Bloco de Esquerda, Sérgio Aires, o vereador com a pasta do Urbanismo esclareceu que inicialmente estava prevista a demolição do Edifício Transparente, mas que "depois foi publicado no 'site' da APA um conjunto de planos de praia que determinam exceções". 

Segundo o vereador, são esses planos que podem vir a determinar a "não obrigatoriedade de demolição" do Edifício Transparente, mas os mesmos estão "desatualizados". 

"Se inicialmente a APA queria demolir, neste momento a APA parece estar disposta a abrir exceções a esta regra geral", afirmou, acrescentado que o Edifício Transparente é um dos imóveis sobre os quais "pairam incerteza".

Também o presidente da câmara, Rui Moreira, afirmou que sobre esta matéria "a APA nem ata, nem desata". 

"Todos os dias [a APA] vai tendo opiniões abalizadas diferentes", notou, dizendo tratar-se do "quinto poder em Portugal, que é o poder arbitrário dos especialistas". 

"À segunda, terça e quarta a APA tem uma opinião. À quinta, sexta, sábado e domingo tem outra", referiu, dizendo ainda que tal "indefinição" impede o concessionário de fazer eventuais remodelações no espaço.

O Edifício Transparente, projetado pelo arquiteto catalão Solà-Morales, foi construído no Porto durante a Capital Europeia da Cultura em 2001 e custou 7,5 milhões de euros.

Na reunião, foram aprovadas duas propostas relacionadas com a primeira alteração ao PDM, sendo que uma prevê a prorrogação do prazo da primeira alteração do documento e a segunda o envio da documentação para a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N). 

De acordo com o vereador do Urbanismo, o alargamento do prazo prende-se com o facto de "suspeitar" que o processo de revisão das normas específicas do POC-CE nos PDM "não vai terminar até à data estabelecida, 11 de agosto, em particular por atrasos da CCDR que só agora está em condições de criar a comissão de interessados".

"Trata-se da adaptação do PDM à normativa imposta pelo POC-CE que toca qualquer coisa como 50 ou 60 imóveis na primeira e segunda linha da frente marítima do município", acrescentou. 

A primeira alteração ao PDM tem "especial incidência" na área costeira, ao passar a integrar as quatro normas específicas do POC-CE.

De acordo com o Programa da Orla Costeira Caminha - Espinho, consultado pela Lusa, as normas de natureza específicas dizem respeito às Faixas de Proteção Costeira e às Faixas de Proteção Complementar, às Faixas de Salvaguarda e à Margem.

Aprovado a 11 de agosto de 2021 pelo Conselho de Ministros, o POC-CE abrange as faixas marítimas e costeiras do Porto, tendo o município procedido à transposição de um conjunto de normas que "não implicavam uma decisão autónoma de planeamento".

Em vigor desde julho de 2021, o Plano Diretor Municipal do Porto elenca como "grandes prioridades" o aumento da área verde pública e a qualificação da rede hidrográfica de rios e ribeiras, o aumento da dotação de habitação disponível, a aposta em modos suaves de transporte e a promoção da competitividade económica e do emprego.

+ notícias: Porto

Implementação do Metro do Porto foi "processo de catequização"

O administrador dos Transportes Intermodais do Porto (TIP), Manuel Paulo Teixeira, disse à Lusa que a equipa que lançou o Metro do Porto, da qual fez parte, fez "um processo de catequização" para convencer pessoas, autarcas a instituições.

Como chegar (e sair) do novo Terminal Intermodal de Campanhã?

Tendo sido inaugurado a 20 de julho deste ano, desde 22 de novembro que o novo terminal recebe toda a operação da Rede Expressos, o que leva a que, neste momento, cerca de 40 mil pessoas por dia cheguem, passem ou partam do TIC. Para alguns utilizadores mantêm-se, no entanto, as dúvidas quanto aos acessos e serviços disponíveis na nova infraestrutura da cidade do Porto.

Identificado o homem morto com extrema violência no centro do Porto

Um homem foi encontrado já sem vida no interior do estabelecimento comercial que detinha, no centro do Porto, na noite da passada sexta-feira. Os sinais de elevada violência no cadáver levaram a que o caso transitasse para a Polícia Judiciária.