PSD pede audição do ministro da Administração Interna sobre esquadra no Porto

| Política
Porto Canal / Agências

O PSD vai apresentar um requerimento para a audição do ministro da Administração Interna a propósito do encerramento da esquadra do Porto, anunciou hoje o vice-presidente do partido, que acusou o Governo de "falta de humildade" e "insensibilidade".

"O grupo parlamentar do PSD apresentará de imediato um requerimento para convocar o ministro da Administração Interna [José Luis Carneiro] ao parlamento, não só para partilhar com os parlamentares as causas que estão relacionadas com este episódio e outros, mas sobretudo para deixar uma garantia aos portugueses que estes fenómenos não se repetirão", afirmou o vice-presidente do PSD Paulo Cunha.

Numa conferência de imprensa na sede distrital do PSD/Porto, Paulo Cunha salientou que o partido está "preocupado", sobretudo porque a suspensão temporária do atendimento na 9.ª Esquadra da PSP no Porto, na zona do Infante, é, à semelhança da extinção do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), "mais um episódio" que contribui para a perceção de insegurança dos portugueses.

"Episódios como os dos tempos recentes agudizam a sensação de insegurança", observou, dizendo que este é mais um "episódio lamentável" que merece a reprovação do PSD.

Para Paulo Cunha a suspensão temporária da esquadra do Porto reflete a "tremenda insensibilidade" e "falta de humildade" do Governo em relação à segurança interna do país.

"É suposto haver um pouco mais de humildade e reconhecer que o Governo falhou, como lamentavelmente tem falhado noutras situações", notou, culpando ainda o Governo de "desinvestimento" neste setor.

Lembrando que o Governo está há "sete anos em exercício e não apenas há meia dúzia de dias", o vice-presidente dos sociais-democratas destacou ainda o "casuísmo" e "descoordenação" dos governantes.

"O Governo apregoa que está próximo das autarquias, que as ausculta antes de tomar decisão e não foi capaz de informar o autarca do Porto dando nota da situação", lamentou Paulo Cunha.

Questionado pelos jornalistas sobre que propostas apresentava a nova direção do PSD para resolver alguns dos problemas de segurança interna, como a falta de efetivos, o vice-presidente do PSD salientou que o partido está a dar os "primeiros passos" na criação da mesmas, defendendo que esta é uma "questão mais abrange e lata".

"Quem governa Portugal é o PS, que é a quem compete apresentar soluções. Os portugueses não quiseram que fosse o PSD a Governar", referiu, garantindo, contudo, que se fosse o PSD a governar o país "não estaria nesta situação" e o partido "não deixaria que tudo isto se arrastasse".

Paulo Cunha acusou ainda o Governo de "autismo" por "simplificar o que é complexo e banalizar o que é relevante".

"Este Governo foi descuidado e irresponsável na forma como tratou desta matéria", acrescentou.

O ministro da Administração Interna esclareceu hoje que a esquadra da PSP na baixa do Porto suspendeu temporariamente o atendimento e esta decisão de "ajustamento do horário" de funcionamento "não é a primeira vez que acontece" no país.

"A esquadra não foi encerrada, suspendeu o encerramento até às 16:00 da tarde", disse José Luis Carneiro aos jornalistas no final de uma reunião com direção nacional da Polícia de Segurança Pública no Comando Metropolitano de Lisboa para análise da gestão do efetivo e das infraestruturas policiais.

+ notícias: Política

PS acusa PSD de "problema de consciência" e de querer desmantelar o SNS

O secretário-geral adjunto do PS, João Torres, acusou no passado sábado à noite o PSD de ter um "problema de consciência" em relação ao Serviço Nacional de Saúde e de querer privatizá-lo e desmantelá-lo.

PCP classifica lamentos pela desertificação como "lágrimas de crocodilo" e aponta o dedo às "políticas de direita"

O secretário-geral do PCP, Paulo Raimundo, rejeitou este sábado a ideia de que o interior do país esteja condenado e apontou o dedo às “políticas de direita”, classificando os lamentos pela desertificação como “lágrimas de crocodilo”.

PCP acusa PS de provocar eleições antecipadas para se livrar dos "constrangimentos" provocados pelos comunistas

O secretário-geral do PCP, Paulo Raimundo, acusou este sábado o PS de ter querido eleições antecipadas para se livrar das restrições causadas pelo partido e para começar a causar constrangimentos ao povo.