Câmara do Porto fala em "indefinição" da APA quanto à demolição do Edifício Transparente

| Porto
Porto Canal / Agências

O vereador do Urbanismo da Câmara do Porto disse hoje existir uma "indefinição" por parte da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) quanto à demolição do Edifício Transparente, um dos imóveis na frente marítima sobre o qual "paira incerteza". 

"Há uma indefinição por parte da APA no que diz respeito a esse e outros edifícios", afirmou Pedro Baganha, durante a discussão, em reunião do executivo, da prorrogação do prazo da primeira alteração ao Plano Diretor Municipal (PDM), fruto do Programa da Orla Costeira Caminha - Espinho (POC-CE). 

Em resposta ao vereador do Bloco de Esquerda, Sérgio Aires, o vereador com a pasta do Urbanismo esclareceu que inicialmente estava prevista a demolição do Edifício Transparente, mas que "depois foi publicado no 'site' da APA um conjunto de planos de praia que determinam exceções". 

Segundo o vereador, são esses planos que podem vir a determinar a "não obrigatoriedade de demolição" do Edifício Transparente, mas os mesmos estão "desatualizados". 

"Se inicialmente a APA queria demolir, neste momento a APA parece estar disposta a abrir exceções a esta regra geral", afirmou, acrescentado que o Edifício Transparente é um dos imóveis sobre os quais "pairam incerteza".

Também o presidente da câmara, Rui Moreira, afirmou que sobre esta matéria "a APA nem ata, nem desata". 

"Todos os dias [a APA] vai tendo opiniões abalizadas diferentes", notou, dizendo tratar-se do "quinto poder em Portugal, que é o poder arbitrário dos especialistas". 

"À segunda, terça e quarta a APA tem uma opinião. À quinta, sexta, sábado e domingo tem outra", referiu, dizendo ainda que tal "indefinição" impede o concessionário de fazer eventuais remodelações no espaço.

O Edifício Transparente, projetado pelo arquiteto catalão Solà-Morales, foi construído no Porto durante a Capital Europeia da Cultura em 2001 e custou 7,5 milhões de euros.

Na reunião, foram aprovadas duas propostas relacionadas com a primeira alteração ao PDM, sendo que uma prevê a prorrogação do prazo da primeira alteração do documento e a segunda o envio da documentação para a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N). 

De acordo com o vereador do Urbanismo, o alargamento do prazo prende-se com o facto de "suspeitar" que o processo de revisão das normas específicas do POC-CE nos PDM "não vai terminar até à data estabelecida, 11 de agosto, em particular por atrasos da CCDR que só agora está em condições de criar a comissão de interessados".

"Trata-se da adaptação do PDM à normativa imposta pelo POC-CE que toca qualquer coisa como 50 ou 60 imóveis na primeira e segunda linha da frente marítima do município", acrescentou. 

A primeira alteração ao PDM tem "especial incidência" na área costeira, ao passar a integrar as quatro normas específicas do POC-CE.

De acordo com o Programa da Orla Costeira Caminha - Espinho, consultado pela Lusa, as normas de natureza específicas dizem respeito às Faixas de Proteção Costeira e às Faixas de Proteção Complementar, às Faixas de Salvaguarda e à Margem.

Aprovado a 11 de agosto de 2021 pelo Conselho de Ministros, o POC-CE abrange as faixas marítimas e costeiras do Porto, tendo o município procedido à transposição de um conjunto de normas que "não implicavam uma decisão autónoma de planeamento".

Em vigor desde julho de 2021, o Plano Diretor Municipal do Porto elenca como "grandes prioridades" o aumento da área verde pública e a qualificação da rede hidrográfica de rios e ribeiras, o aumento da dotação de habitação disponível, a aposta em modos suaves de transporte e a promoção da competitividade económica e do emprego.

+ notícias: Porto

Votação dos prémios do turismo a que o Porto é candidato termina esta segunda-feira

A votação nos 'World Travel Awards 2022' a que a cidade do Porto é candidata a quatro troféus europeus termina esta segunda-feira. Conhecidos como os "óscares do turismo", elegem os melhores locais a visitar na Europa e na edição deste ano o Porto concorre a Melhor Destino Europeu para Escapadela Urbana, Melhor Destino Europeu de Cidade, Melhor Destino Cultural Europeu e Melhor Destino Europeu Metropolitano à Beira-Mar.

Sétima edição do Porto Pianofest terminou, mas deixa a mensagem que promete voltar

A sétima edição do festival Porto Pianofest terminou no passado domingo. Depois de duas edições online forçadas pela pandemia, o festival regressou ao modo presencial e muito bem. O balanço não podia ser mais positivo e, desse modo, promete voltar.

Falta de profissionais na PSP deixa Associação de Bares preocupados com segurança na noite do Porto

O presidente do Sindicato Nacional da Polícia diz que não adianta criar esquadras móveis sem profissionais suficientes. Paulo Santos acusa o ministro José Luís Carneiro de não responder aos problemas de segurança no Porto.