Urgências de Obstetrícia de Loures reabriram às 15:00 e funcionam normalmente

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 25 jun 2022 (Lusa) -- As urgências de Ginecologia e Obstetrícia do Hosptal Beatriz Ângelo, em Loures, encerradas desde as 14:00 de sexta-feira, reabriram hoje às 15:00 e encontram-se a funcionar normalmente, informou a Administração Regional de Saúde.

"A Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) informa que a urgência de Ginecologia/Obstetrícia do Hospital Beatriz Ângelo (HBA) reabriu às 15:00 de hoje e encontra-se a funcionar normalmente", lê-se numa nota enviada à Lusa.

A ARSLVT acrescentou ainda que os restantes serviços de ginecologia e obstetrícia da região "estão a funcionar dentro da normalidade".

Aquele serviço do hospital de Loures encerrou às 14:00 de sexta-feira e inicialmente a sua reabertura esteve agendada para as 08:00 de hoje.

Contudo, o serviço permaneceu encerrado durante a manhã e as primeiras indicações da ARSLVT à Lusa apontavam a reabertura para as 08:00 de domingo.

A entidade resslvou, porém, que poderão existir limitações em algumas unidades hospitalares, o que significa que em alguns casos, em "determinado período do dia", poderá ser ativado o desvio coordenado pelos Centros de Orientação de Doentes Urgentes com o Instituto Nacional de Emergência Médica, sendo as grávidas encaminhadas para outras unidades da região.

Nas últimas semanas, vários serviços de urgência destas especialidades e blocos de partos de vários pontos do país tiveram de encerrar por determinados períodos ou funcionaram com limitações, devido à dificuldade dos hospitais em completarem as escalas de serviço de médicos especialistas.

MPE (SMM) // HB

Lusa/Fim

+ notícias: País

Fisco vai avaliar e atualizar matrizes das barragens para cobrar IMI

A Autoridade Tributária e Aduaneira vai fazer uma avaliação e atualização das matrizes das barragens e avançar com a cobrança do IMI desta tipologia de bens, segundo determina um despacho do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Nuno Félix.

Período de transição entre contratos do SIRESP vai custar ao Estado 7,4 milhões de euros

O período de transição vai custar, ao Estado, 1,2 milhões de euros por mês. De acordo com o Jornal de Notícias, o processo só deverá estar concluído no final de junho.

Primeiro prazo para reforço do poder das regiões já falhou

O prazo para o reforço do poder das regiões, no âmbito da transferência de competências das direcções regionais para as CCDR, seria o fim de janeiro. No entanto, de acordo com o jornal Público, o diploma ainda não está concluído.