Info

Edifícios licenciados aumentam 4,1% e concluídos sobem 11,6% em 2019 - INE

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 17 jul 2020 (Lusa) -- Os edifícios licenciados em Portugal somaram 23.608 em 2019, mais 4,1%, face ao ano anterior, estimando-se que tenham sido concluídos 14.184 edifícios, mais 11,6% do que em 2018, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Em 2018, os edifícios licenciados no país tiveram um aumento de 19,1% face ao ano precedente, estimando-se que os concluídos registaram um crescimento de 13,9%, na comparação com o ano anterior, segundo refere o INE em comunicado.

Já o número de habitações (fogos) licenciadas atingiu os 33.570 em Portugal em 2019, mais 14,5% em relação ao ano anterior, estimando-se que tenham sido concluídas 18.181 habitações, o que representou um aumento de 23,2%, face ao ano precedente.

Os edifícios licenciados para construção nova continuaram a ser dominantes em 2019, representando 70,2% do total dos edifícios licenciados (69,0% em 2018).

Também nas obras concluídas as construções novas continuaram a ser predominantes, representando 75,6% do total no mesmo ano (74,2% em 2018), sendo que os edifícios residenciais corresponderam a 76,6%, do total de edifícios concluídos.

No ano passado, do total de edifícios licenciados, 53,5% correspondiam a edifícios em construções novas para habitação familiar, contra 51,8% em 2018, sendo que as obras concluídas em construções novas para habitação familiar representaram 59,1% dos edifícios concluídos, que compara com 54,8% em 2018, salienta o INE.

Em 2019, foram licenciados 5.345 edifícios para obras de reabilitação (obras de alteração, ampliação e reconstrução de edifícios), mais 1,4% que em 2018 (ano que apresentou um acréscimo homólogo de 13,3%) e 16.570 edifícios de construção nova, um acréscimo de 5,9% (+20,3% em 2018).

No que respeita às obras de reabilitação concluídas, verificou-se um aumento de 5,4% face ao ano anterior (+7,7% em 2018), totalizando 3.462 edifícios, sendo que as obras concluídas em construções novas aumentaram 13,7% (+16,2% em 2018), representando um total de 10.22 edifícios.

Segundo o INE, o mercado imobiliário em Portugal cresceu 1,6% em 2019, contra 16,6% no ano anterior, sendo que este é o aumento mais baixo desde 2013.

Pelo terceiro ano consecutivo, reporta o INE, foi registado um novo máximo no número de transações, que atingiu 181.478 habitações em 2019.

Sobre o valor das transações de alojamentos refere que somou 25,6 mil milhões de euros em 2019, um acréscimo de 6,3%, que compara com um aumento de 24,4% no ano anterior.

Segundo o INE, em 2019, o preço mediano de alojamentos familiares em Portugal foi 1.081 euros o metro quadrado (m2), superior em 8,5% relativamente ao ano anterior.

A cidade de Lisboa apresentou o preço mediano de alojamentos familiares mais elevado (3.247 euros o metro quadrado, de entre as sete cidade em Portugal com mais de 100 mil habitantes.

Já o valor mediano das rendas dos 72.788 novos contratos de arrendamento habitações em Portugal atingiu os 5,32 euros o m2, uma subida de 10,8% face ao período homólogo do ano anterior.

O parque habitacional português estimava-se que em 2019 correspondesse a 3.612.472 edifícios e a 5.968.354 alojamentos, um aumento de 0,23% e 0,24%, respetivamente, face a 2018, o que corresponde um aumento de 8.438 edifícios e de 14.428 alojamentos.

JS // JNM

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Desconvocada greve da Groundforce marcada para 31 de julho, 1 e 2 de agosto

Lisboa, 22 jul 2021 (Lusa) -- Os sindicatos dos Técnicos de Handling de Aeroportos (STHA), das Indústrias Metalúrgicas e Afins (SIMA) e dos Economistas (SE) desconvocaram hoje a greve na Groundforce marcada para 31 de julho, 1 e 2 de agosto.

Governo avisa que a TAP vai pagar subsídios de férias diretamente aos trabalhadores da Groundforce 

A TAP vai pagar diretamente aos trabalhadores da Groundforce o valor correspondente ao subsídio de férias e às anuidades em atraso, anunciou hoje o Ministério das Infraestruturas e Habitação, em comunicado.

Governo recusou nacionalização da Groundforce para evitar "litigância"

O Governo não avançou com uma nacionalização da Groundforce para evitar "o risco de litigância" e dada a complexidade destes processos, disse hoje o ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos, no parlamento.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

O efeito do observador - Centro de...