Covid-19: Sobe para oito número de internamentos do surto em Reguengos de Monsaraz

| País
Porto Canal com Lusa

Reguengos de Monsaraz, Évora, 17 jul 2020 (Lusa) -- O número de internamentos no Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE) relacionados com o surto de covid-19 em Reguengos de Monsaraz subiu para oito na quinta-feira, informou hoje a câmara municipal alentejana.

De acordo com a atualização do boletim epidemiológico divulgada hoje pela Autoridade Municipal de Proteção Civil, encontravam-se internados, ao final do dia de quinta-feira, seis utentes (eram cinco na quarta-feira) do lar da Fundação Maria Inácia Vogado Perdigão Silva (FMIVPS), três dos quais em cuidados intensivos, além de dois casos de infeção comunitária, um deles também em cuidados intensivos.

A subida do número de internamentos deu-se, ainda assim, ao nono dia consecutivo sem registo de qualquer novo caso de infeção na comunidade, o que mantém em 124 o número de casos ativos deste surto, que já provocou 17 vítimas mortais.

Entre os casos ativos há a registar 65 utentes do lar da FMIVPS (15 óbitos), 19 funcionários da instituição (um óbito, seis curados) e 40 casos comunitários (um óbito e 15 curados).

A Autoridade de Saúde Pública considera que o surto está "em resolução", caso não existam novas cadeias de transmissão conhecidas.

Também a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, disse na quinta-feira que "está controlado" o surto de covid-19 detetado em Reguengos de Monsaraz há quase um mês, em 18 de junho.

"Não tendo havido nenhum novo caso e havendo já casos recuperados, uma estabilidade dos que estão doentes", o surto de Reguengos de Monsaraz, "não estando terminado, está de facto controlado", afirmou a responsável no final de uma reunião, realizada na sede da Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo, em Évora.

Ainda assim, já hoje o PCP exigiu ao Governo "respostas e esclarecimentos" sobre o surto de covid-19 no concelho de Reguengos de Monsaraz e pediu medidas para "inverter a teoria do medo e instabilidade".

Num comunicado intitulado "Governo precisa dizer o que ainda não foi dito", a Direção da Organização Regional de Évora (DOREV) do PCP considerou que "são ainda necessárias respostas, esclarecimentos e medidas que o Governo continua por dar".

Com a situação no lar, o concelho de Reguengos de Monsaraz regista o maior surto no Alentejo da doença da covid-19 provocada pelo novo coronavírus.

Em Portugal, morreram 1.679 pessoas das 47.765 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

SYL (SYM) // MLM

Lusa/Fim

+ notícias: País

D. José Ornelas: "Os padres não são uma cambada de pedófilos"

D. José Ornelas garante que não protegeu nenhum abusador de crianças. O alegado encobrimento remete para um caso de 2011 de um alegado abuso de menores num orfanato, em Moçambique. A afirmação do bispo de Leiria-Fátima surge depois do Ministério Público ter confirmado que D. José Ornelas está a ser investigado.

Pilotos dizem que se TAP tem dinheiro para comprar BMW, tem dinheiro para repor condições laborais

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil sugeriu esta quarta-feira à TAP a mesma lógica de “gastar-mais, para poupar”, com que a companhia se defendeu sobre a renovação da frota automóvel corporativa, para a reposição das condições laborais dos trabalhadores.

Confusão na PSP sobre uso de armas obriga diretor nacional a esclarecer regras

Está a circular nas redes sociais um email supostamente da Divisão de Investigação Criminal do Comando Metropolitano de Lisboa que proíbe os agentes da Polícia de Segurança Pública (PSP) de utilizarem armas de fogo ou retirá-las do coldre em situações de desordem pública. A notícia avançada pelo 'Observador' refere que ainda no mesmo email, os agentes à civil também não podem intervir em episódios semelhantes.