Covid-19: Rebeldes Huthis do Iémen pedem ajuda internacional face à chegada do vírus

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Sanaa, 21 mar 2020 (Lusa) -- Os rebeldes Huthis do Iémen pediram hoje a ajuda das organizações internacionais para equipar hospitais e tomar medidas face à chegada do novo coronavírus ao país, em guerra há mais de cinco anos.

"Apelamos às agências da ONU e à Cruz Vermelha para se responsabilizarem pelo equipamento de hospitais e centros de quarentena porque atualmente enfrentamos um desastre médico", indicou numa conferência de imprensa o ministro da Saúde do governo Huthi, Taha Al-Mutawakkil.

"O mundo inteiro está preparado e estas organizações até ao momento só nos fizeram promessas", adiantou, responsabilizando a Organização Mundial de Saúde pelo "completo equipamento" dos hospitais.

O representante do governo dos Huthis - que se revoltaram contra o governo internacionalmente reconhecido de Abd Rabbo Mansour Hadi e ocuparam Sanaa em 2014 -- afirmou que até ao momento não foram registados casos da doença na parte do país controlada pelos rebeldes xiitas (fundamentalmente o noroeste) e que no resto do Iémen existem 16 casos do novo coronavírus.  

Os Huthis anunciaram a semana passada a suspensão dos voos humanitários a partir do aeroporto de Sanaa, o único a operar no território que controlam e ao qual a Arábia Saudita, que domina o espaço aéreo do Iémen e apoia o presidente Hadi, apenas permite o acesso das Nações Unidas.

Os rebeldes também cortaram estradas para evitar os deslocamentos para províncias controladas pelo governo iemenita, suspendeu as aulas e proibiu as concentrações de pessoas em casamentos e funerais.

O Iémen, um dos países mais pobres do mundo, não possui uma rede de saúde capaz de lidar com a disseminação do novo coronavírus e apenas metade dos quase 30 milhões de iemenitas tem acesso ao sistema de saúde.

 

PAL // JPS

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

Suspeito de ataque em Copenhaga tem antecedentes psiquiátricos

O alegado autor de um tiroteio ocorrido no domingo em Copenhaga, que fez três mortos e quatro feridos graves, tem antecedentes de doença psiquiátrica, indicou hoje a polícia dinamarquesa, afirmando não haver indícios de "um ato terrorista".

Vários mortos em tiroteio na Dinamarca. Suspeito é dinamarquês e tem 22 anos

Várias pessoas morreram num tiroteio no centro comercial Field's, em Copenhaga, capital da Dinamarca, revelou a polícia. Uma pessoa foi detida.

Rússia anuncia controlo total da região ucraniana de Lugansk. Ucrânia desmente. 

O ministro da Defesa russo Serguei Shoigu afirmou hoje que as forças russas controlam toda a região ucraniana de Lugansk, no Donbass, depois de conquistada a cidade-chave de Lisichansk, alvo de combates intensos nos últimos dias.