Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Covid-19: África do Sul retém 1.720 pessoas a bordo de cruzeiro por suspeita de infeção

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Joanesburgo, África do Sul, 18 mar (Lusa) - Mais de 1.700 pessoas estão retidas desde domingo num navio cruzeiro na Cidade do Cabo, África do Sul, por suspeita que alguns dos passageiros estejam infetados com Covid-19, disse hoje um porta-voz da empresa.

"Os passageiros já estão a bordo [do navio] há uma semana sem mostrar nenhum sintoma. Organizámos voos para que os nossos hóspedes possam voltar a casa rapidamente. No entanto, aguardamos autorização das autoridades locais", disse o porta-voz da empresa Aid Cruises, Hansjörg Kunze.

Segundo o porta-voz, citado pelo portal sul-africano Times Live, o motivo prende-se com o facto de seis dos passageiros estarem a ser submetidos a análises clínicas pelas autoridades de Saúde sul-africanas por medida de precaução.

A estatal Transnet, que administra os portos do país, adiantou em comunicado que o navio de cruzeiro de bandeira italiana MV AIDmira partiu na sexta-feira da cidade namibiana de Walvis Bay com destino à Cidade do Cabo, tendo atracado no domingo com seis passageiros a bordo, que partilharam um voo com um dos marinheiros que revelou sintomas do novo coronavírus.

A Transnet referiu que os seis passageiros viajaram de Istambul para a Cidade do Cabo, e depois para Walvis Bay, e que por precaução foram retirados pelas autoridades de saúde portuárias para análises e depois colocados em quarentena por precaução, para evitar a propagação de uma possível infeção.

Os resultados das análises serão conhecidos esta quinta-feira, e enquanto isso a tripulação e os 1.720 passageiros a bordo do cruzeiro permanecem no navio por ordem do Ministério dos Transportes da África do Sul, salientou a empresa pública sul-africana.

"Trata-se da primeira suspeita de um caso de Covid-19 num porto marítimo sul-africano", salientou a Transnet.

A África do Sul anunciou hoje 31 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, elevando para 116 o total de casos positivos em cinco províncias do país.

O Presidente, Cyril Ramaphosa, anunciou no domingo medidas sem precedentes como o encerramento parcial de fronteiras, a suspensão das aulas, a proibição de entrada para estrangeiros de países de elevado risco de infeção da Covid-19 e o cancelamento de qualquer evento público e privado para mais de 100 pessoas.

O Governo proibiu também a entrada de navios de passageiros e de cruzeiro nos portos sul-africanos, com efeito imediato a partir desta quarta-feira.

A nível global, o coronavírus responsável pela pandemia da Covid-19 infetou mais de 200 mil pessoas, das quais mais de 8.200 morreram.

CYH // JH

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

Governo vai receber combustível da Polónia e apela à Europa para ajudar

A ministra do Desenvolvimento Económico da Ucrânia, Yulia Swyrydenko, anunciou hoje que a Polónia vai fornecer ao seu país 25.000 toneladas de combustível, referindo que o Governo está a lutar para equilibrar o mercado e retomar as exportações. 

"A ajuda da Polónia vai contribuir para estabilizar significativamente a situação no mercado de combustíveis", disse a ministra, citada pela agência de notícias polaca PAP, depois de se ter reunido, em Kiev, com a sua homóloga do país vizinho, Anna Moskva.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Festivais - Soam as guitarras