Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Covid-19: Fornos de Algodres pede a emigrantes e a quem vive fora que não vá para o concelho

| País
Porto Canal com Lusa

Fornos de Algodres, Guarda, 18 mar 2020 (Lusa) - O município de Fornos de Algodres pediu hoje aos emigrantes e a quem vive e trabalha noutras zonas do país para não se deslocarem ao concelho, devido ao risco de propagação do novo coronavírus.

"Aconselham-se todas as pessoas que têm ligações a Fornos de Algodres, sejam emigrantes, residam ou trabalhem noutros pontos do país, que não se desloquem para o nosso concelho/região nas próximas semanas, pois a mobilidade geográfica é um foco de propagação do Covid-19", lê-se num aviso da autarquia publicado na página da rede social Facebook.

O município de Fornos de Algodres, no distrito da Guarda, sublinha que "neste momento desafiante para os portugueses, todos devem ser solidários e estar conscientes de que tem de se cumprir obrigações".

Em caso de dúvida, a autarquia pede para que seja contactado o Serviço de Proteção Civil Municipal pelo telefone n.º 800 210 096.

O presidente da Câmara Municipal de Fornos de Algodres, Manuel Fonseca, disse à agência Lusa que o apelo surgiu após a autarquia ter tido conhecimento de "que haveria gente, que, sendo natural de Fornos de Algodres", manifestou, nesta altura de pandemia, a intenção de regressar às origens.

"Numa altura destas, temos de pesar os prós e os contras, porque [a ida de residentes que estão fora para o território] pode ser um veículo de transmissão da doença", justificou.

Segundo o autarca, é preciso "ter alguns cuidados", porque no município existem comunidades que são constituídas por pessoas "já com alguma idade".

O responsável referiu ainda que o seu concelho possui "muitos motoristas" de transportes de mercadorias que circulam pela Europa, o que também é motivo de preocupação.

Indicou que os presidentes das Juntas de Freguesia estão a contactar os motoristas "para ver de onde vêm", com o objetivo de ser feito "algum rastreio".

"Nós não os podemos impedir de vir [para o território], mas temos de os rastrear, para que, se houver alguma patologia, tomarmos medidas", concluiu Manuel Fonseca.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, infetou mais de 210 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 8.750 morreram.

O surto começou na China, em dezembro de 2019, e espalhou-se já por 170 países e territórios, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Os países mais afetados depois da China são a Itália, com 2.978 mortes para 35.713 casos, o Irão, com 1.135 mortes (17.350 casos), a Espanha, com 558 mortes (13.716 casos) e a França com 175 mortes (7.730 casos).

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) elevou hoje o número de casos confirmados de infeção para 642, mais 194 do que na terça-feira.

A Assembleia da República aprovou hoje o decreto de declaração do estado de emergência que lhe foi submetido pelo Presidente da República com o objetivo de combater a pandemia de Covid-19, após a proposta ter recebido pareceres favoráveis do Conselho de Estado e do Governo.

Portugal está em estado de alerta desde sexta-feira, e o Governo colocou os meios de proteção civil e as forças e serviços de segurança em prontidão.

ASR // SSS

Lusa/Fim

+ notícias: País

Infeção pelo vírus 'monkeypox' em Portugal pode ser um surto

Os casos de infeção pelo vírus 'monkeypox', avançados em primeira mão pelo Porto Canal, confirmados em Portugal podem constituir um surto, mas não está "para já" identificada qualquer ligação entre eles para além do local onde foram detetados, disse hoje a infeciologista Margarida Tavares.

EXCLUSIVO.

Vírus 'monkeypox' chega a Portugal. DGS confirma pelo menos cinco casos e 20 suspeitos

O vírus 'monkeypox', a varíola dos macacos, chegou a Portugal e já há pelo cinco casos confirmados. O Porto Canal sabe que os doentes são todos homens e a situação está ser acompanhada pelas autoridades de saúde para se perceber a ligação entre os casos.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Festivais - Soam as guitarras