Covid-19: Costa avisa que declaração de emergência não terá "efeito salvífico" e pandemia durará até fim de maio

Covid-19: Costa avisa que declaração de emergência não terá "efeito salvífico" e pandemia durará até fim de maio
| Política
Porto Canal com Lusa

O primeiro-ministro avisou hoje que a declaração do estado de emergência não terá um "efeito salvífico" e, se tudo correr pelo melhor, a pandemia de Covid-19 terá o pico em meados de abril e poderá terminar no final de maio.

António Costa encerrava o breve debate em plenário da Assembleia da República que antecedeu a aprovação da proposta de declaração do estado de emergência enviada pelo Presidente da República ao parlamento.

Salientando a "inequívoca lealdade institucional" do Governo para com o chefe de Estado nesta matéria, o primeiro-ministro admitiu que este instrumento poderá permitir ao executivo "fazer mais e melhor, mas avisou que não há nenhum decreto de emergência que tenha um efeito salvífico de resolver a crise pandémica".

"A pior coisa que podemos fazer é quebrar o elo de confiança, solidariedade e credibilidade com os nosso cidadãos e esse laço quebra-se quando os cidadãos não sintam que estamos cá para fazer tudo o que é necessário, mas também quando entende que estamos a fazer promessas que depois se frustram", disse.

Nesse sentido, Costa defendeu que é necessário "dizer com franqueza aos portugueses" que, provavelmente, dentro de 15 dias, quanto for necessário renovar o estado de emergência, haverá "mais pessoas infetadas e mais falecimentos".

O primeiro-ministro voltou a reiterar que "a democracia não será suspensa" com a declaração do estado de emergência e que, mal entre em vigor, a Procuradoria Geral da República "deve funcionar em permanência para controlo da legalidade" e a Provedoria da República para "proteção dos direitos, liberdades e garantias".

+ notícias: Política

País "não pode nem deve" adiar regionalização com a "desculpa" da crise 

O presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) defendeu hoje que Portugal "não pode nem deve" adiar a regionalização e que as crises internacionais não podem ser "desculpa" para "hipotecar o futuro".

Paulo Rangel remete discussão da regionalização para um "debate colegial"

O Eurodeputado Paulo Rangel esteve presente no 40.º Congresso do PSD, no Porto, e em entrevista ao Porto Canal, minutos antes de Luís Montenegro anunciar que estava contra um Referendo à Regionalização, o eurodeputado remeteu a posição sobre esta matéria para uma decisão "colegial" da direção nacional do partido. Ainda assim, Paulo Rangel explicou que quando se está num colégio procede-se em primeiro lugar "ao debate, à troca de visões e informações" formando-se, de seguida, um "consenso".

PPD, PSD e Regionalização. Uma relação complicada em oito atos

Da "democracia regional", expressão cunhada por Sá Carneiro, à feroz oposição à Regionalização, assumida por figuras como Cavaco Silva - já foram muitas as posições oficiais do Partido Social Democrata (ex-PPD) desde a sua fundação em relação ao tema. No 40.º Congresso, no Porto, abriu-se um novo capítulo: depois de Rui Rio ter assumido o compromisso de apoiar a realização de um Referendo em 2024, o novo líder, Luís Montenegro, tornou pública a sua oposição. A relação do PPD/PSD com a Regionalização é... complicada.