Exames/6.º ano: Apenas um quinto das escolas com média positiva a Português

| País
Porto Canal / Agências

Lisboa, 09 nov (Lusa) -- Pouco mais de um quinto das escolas (245) conseguiu atingir média positiva nas provas finais de Português no 2.º Ciclo (6.º ano), de acordo com os dados divulgados pelo Ministério da Educação relativos a 2012/13.

Em 1.147 escolas, só 21 por cento alcançou média igual ou superior a três (positiva), numa escala de um a cinco, nas provas que no ano transato contaram já 30 por cento para a nota final do aluno, à semelhança dos exames do 3.º Ciclo (9.º ano) e do Ensino Secundário.

Considerando todos os estabelecimentos de ensino, o Colégio Euro-Atlântico, situado em Matosinhos, distrito do Porto, ocupa o primeiro lugar na tabela de resultados elaborada a partir de dados fornecidos pelo ministério, com média de 4,12 em 16 exames realizados.

Segue-se a Escola Internacional da Covilhã, Castelo Branco, com média de 4,11 em nove exames.

O Externato de Santa Joana, em Valongo (Porto), surge na terceira posição, com média de 4,03 num universo de 40 provas.

De seguida, apresenta-se o Colégio das Terras de Santa Maria, em Santa Maria da Feira (Aveiro), com média de quatro, em 56 exames.

O Colégio de Nossa Senhora do Rosário, no Porto, obteve média de 3,95 num total de 143 exames.

No último lugar da tabela surge a Escola Básica Integrada Mouzinho da Silveira, nos Açores, com média de 1,6 valores, tendo realizado apenas cinco exames.

AH // SB

Lusa/Fim

+ notícias: País

Já é conhecida a chave do Eurodreams desta segunda-feira

Já é conhecida a chave do Eurodreams desta segunda-feira.

EuroDreams. Terceiro prémio 'sorriu' a 33 apostadores portugueses

Foram 33 os apostadores portugueses que foram agraciados com o terceiro prémio do EuroDreams, no valor de 88,03 euros cada.

Urgência Pediátrica de Viseu fecha em alguns períodos a partir de sexta-feira

A Urgência Pediátrica da Unidade Local de Saúde Viseu Dão-Lafões (ULSVDL) vai estar encerrada durante alguns períodos a partir de sexta-feira devido à falta de médicos pediatras, anunciou hoje a instituição.