Info

Polónia já não vai receber refugiados. Atentados de Bruxelas na origem da decisão

Polónia já não vai receber refugiados. Atentados de Bruxelas na origem da decisão
| Mundo
Porto Canal (MYF)

A Primeira-Ministra da Polónia, Beata Szydlo, anunciou, estas quarta-feira, que o país não vai aceitar refugiados ao abrigo do mecanismo europeu de repartição de candidatos a asilo, Esta medida surge na sequência dos atentados, desta terça-feira, em Bruxelas, Bélgica.

“Depois do que aconteceu ontem [terça-feira] em Bruxelas, não é possível neste momento dizer que estamos dispostos a aceitar qualquer número de migrantes”, avançou a Primeira-Ministra, à televisão privada polaca ‘Superstacja'.

A Polónia tinha aceitado receber cerca de 7.000 refugiados ao abrigo do mecanismo europeu, respeitando o compromisso assumido com Bruxelas pelo anterior Governo. O primeiro grupo devia chegar no final deste mês ou no principio de abril.

“Somos obrigados, antes de tudo, a velar pela segurança dos nossos cidadãos”, disse Szydlo, defendendo que a Europa deve recusar receber “milhares de migrantes que vêm apenas porque querem melhorar as suas condições de vida” e entre os quais “também há terroristas”.

A primeira-ministra prosseguiu qualificando de “muito prudentes” as posições assumidas pelos países do Grupo de Visegrado (Hungria, Polónia, República Checa e Eslováquia) em relação a países, como a Alemanha, que “deram apressadamente o seu acordo a este afluxo de migrantes”. ”Essa negligência está na origem dos problemas”, afirmou.

Recorde-se, que a União Europeia (UE) adotou, em setembro de 2015, por maioria, um acordo para a repartição de 120.000 refugiados. Eslováquia, Hungria, República Checa e Roménia votaram contra e a Polónia, então governada por centristas, votou a favor.

As três explosões em Bruxelas, duas no aeroporto Zaventem e uma estação de metro de Maelbeek, fizeram pelo menos 31 mortos e 270 feridos, sendo 21 portugueses.

+ notícias: Mundo

Covid-19: Portugueses no Norte de Itália relatam situações de pânico

Itália é o país europeu com maior número de infetados, sendo que onze pessoas já morreram. Os portugueses que vivem no Sul do país dizem não sentir os efeitos do vírus mas, a Norte falam em situações de pânico e muitas restrições.

Automóvel atropela desfile de Carnaval na Alemanha, vários feridos

Um automóvel avançou hoje sobre um desfile de Carnaval em Volkmarsen, no centro da Alemanha, fazendo vários feridos, segundo a polícia.

Covid-19: Anunciada segunda morte em Itália. 50.000 pessoas estão em quarentena

Uma segunda pessoa, com coronavírus Covid-19, morreu hoje em Itália, onde foram identificados mais de 30 casos de contaminação até agora, dos quais 25 casos na Lombardia (região de Milão), anunciaram agências de notícias italianas.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.