Info

PS vota contra diploma do PCP para reversão dos cortes salariais na administração pública

PS vota contra diploma do PCP para reversão dos cortes salariais na administração pública
portugal.gov.pt
| Política
Porto Canal

O Grupo Parlamentar do PS vai votar na sexta-feira contra o diploma do PCP que prevê a extinção total das reduções remuneratórias na administração pública a partir do mês seguinte à publicação do Orçamento para 2016.

Esta posição foi transmitida à agência Lusa por fonte da bancada socialista, tendo sido decidida na reunião de hoje do Grupo Parlamentar do PS.

A questão da reversão dos cortes salariais dos trabalhadores da administração pública em 2016 foi introduzida na reunião da bancada socialista pelo vice-presidente do Grupo Parlamentar João Paulo Correia.

"O PS entende que os cortes salariais não podem ser repostos no ritmo daquilo que está previsto no diploma do PCP e que o nosso diploma é o mais adequado, sobretudo tendo em conta os condicionalismos orçamentais", justificou a mesma fonte socialista.

Da fatia de 80 por cento do valor dos cortes salariais ainda a repor aos trabalhadores da administração pública, o PS entende que o ritmo de devolução deverá ser dividido em quatro fases ao longo de 2016, no início de cada trimestre (20 por cento em cada um), até à sua extinção em outubro do próximo ano.

O diploma do PCP prevê a extinção integral dos cortes salariais assim que o Orçamento do Estado do próximo ano seja publicado.

Para o período de transição, entre 01 de janeiro próximo e a entrada em vigor do novo Orçamento, o diploma do PCP prevê a manutenção da situação atual.

"Durante a prorrogação da vigência do Orçamento do Estado para 2015, nos termos da lei de enquadramento orçamental, com referência aos valores auferidos em 2015", especifica-se.

Já com o novo Orçamento, segundo a proposta do PCP, o Governo ficará autorizado "no prazo de 30 dias" a aprovar "as condições de pagamento dos retroativos remuneratórios relativos à diferença entre o montante de 2015 e o valor da respetiva remuneração integral".

O Grupo Parlamentar do PCP ainda não divulgou qual o seu sentido de voto perante o diploma alternativo do PS sobre reversão dos cortes salariais na administração pública em 2016.

Em sede de Comissão Parlamentar de Orçamento e Finanças, na questão da redução da sobretaxa de IRS, o PS votou contra a proposta alternativa apresentada pelo PCP.

No entanto, o PCP aprovou depois a proposta do PS para a redução da sobretaxa de IRS em 2016, tendo em vista a sua extinção em 2017.

+ notícias: Política

António Costa nega qualquer confinamento nos concelhos do Norte 

O Primeiro-ministro, António Costa, negou, quando questionado pelo Porto Canal, que "não está em causa nenhuma cerca sanitária nem nenhum confinamento obrigatório" em concelhos do Norte do país. Explica que "estão em causa medidas que visam conter a expansão da pandemia" que têm origem em contágios de origem social. 

TAP regista prejuízo de 606 milhões de euros. Concorrência dá 'luz verde' a controlo estatal da companhia

A Autoridade da Concorrência (AdC) deu 'luz verde' ao reforço do Estado na TAP, com a aquisição de 22,5% do capital da companhia, que se somam aos 50% já detidos pela Parpública, revela um aviso hoje publicado. Empresa regista um prejuízo de 606 milhões de euros no primeiro semestre.

Prospeção de lítio na Serra d'Arga depende de avaliação ambiental

O secretário de Estado Adjunto e da Energia disse hoje que a inclusão ou exclusão de Arga, no Alto Minho, no concurso para prospeção e pesquisa de lítio, está dependente da Avaliação Ambiental Estratégica (AAE) que irá iniciar-se.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

D'Mais

Alberto Índio e Inês...