Info

PCP vota a favor da eliminação faseada dos cortes salariais na função pública

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 18 dez (Lusa) - O grupo parlamentar do PCP vai votar a favor da devolução faseada dos salários da função pública proposta pelo PS, anunciou a própria bancada comunista, que verá a sua iniciativa sobre a matéria chumbada pela maioria do parlamento.

Da fatia de 80 por cento do valor dos cortes salariais ainda a repor aos trabalhadores da administração pública, o PS entende que o ritmo de devolução deverá ser dividido em quatro fases ao longo de 2016, no início de cada trimestre (20%), até à sua extinção em outubro.

A iniciativa socialista já tinha merecido o apoio de BE, PEV e PAN, enquanto PSD e CDS-PP vão votar contra o fim dos cortes de salários na administração pública, a este ritmo.

O diploma do PCP prevê a extinção integral dos cortes salariais assim que o Orçamento do Estado de 2016 (OE) do próximo ano seja publicado em diário da República, ou seja, a sua entrada em vigor. Para o período de transição, entre 01 de janeiro próximo e a entrada em vigor do novo OE, a proposta comunista prevê a manutenção dos cortes.

Já com o novo OE, segundo a proposta do PCP, o Governo ficararia autorizado "no prazo de 30 dias" a aprovar "as condições de pagamento dos retroativos remuneratórios relativos à diferença entre o montante de 2015 e o valor da respetiva remuneração integral".

HPG/PMF // SMA

Lusa/Fim

+ notícias: Política

 Conselho Regional do Norte apela à participação das CCDR na gestão dos fundos do Plano de Resiliência e Recuperação

A Comissão Permanente do Conselho Regional do Norte apelou, numa missiva enviada ao Governo, à participação das Comissões de Coordenação de Desenvolvimento Regional (CCDR) e entidades intermunicipais na gestão dos fundos provenientes do Plano de Resiliência e Recuperação (PRR).

Portugal vai comprar cerca de 38 milhões de vacinas contra a covid-19

Portugal vai comprar cerca de 38 milhões de vacinas contra a covid-19, "muito mais" do que as necessárias, permitindo apoiar outros países, anunciou a ministra da Saúde que já admite espaçar a toma da segunda dose.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

Zoom Zoom Z o o m