Info

Relação de Lisboa rejeita pedido do Ministério Público, Sócrates pode ter acesso aos autos

Relação de Lisboa rejeita pedido do Ministério Público, Sócrates pode ter acesso aos autos
| País
Porto Canal

O Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) indeferiu hoje o requerimento do Ministério Público (MP) que pedia a nulidade do acórdão que permitia à defesa de José Sócrates ter acesso aos autos da investigação.

A informação foi avançada à agência Lusa pelo porta-voz dos advogados de defesa do ex-primeiro-ministro socialista José Sócrates.

"Há 22 dias que a defesa [de José Sócrates] continua sem acesso aos autos da investigação", disse o porta-voz dos advogados de defesa do ex-primeiro-ministro, acrescentando que os advogados João Araújo e Pedro Delille estão agora a estudar o acórdão de hoje.

A 24 de setembro, a Relação de Lisboa tinha decidido que não se justificava a continuação do segredo (interno) de justiça na "Operação Marquês", pelo que a defesa de José Sócrates deveria ter acesso a todos os autos da investigação.

Mais tarde, a 05 de outubro, o Ministério Público suscitou a nulidade do acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa, um pedido hoje indeferido.

+ notícias: País

Professores vão lecionar outras disciplinas para colmatar falha de docentes

Os professores vão passar a dar aulas de uma disciplina diferente da sua formação para colmatar a falta de professores nas escolas. A Fenprof critica a forma como o Governo pretende resolver o problema da falta de professores.

Operação Nariz Vermelho avançou para MP com base em queixas da atuação do Kastelo

A Operação Nariz Vermelho apresentou queixa no Ministério Público (MP) contra a Associação NoMeioDoNada por suspeita de negligência e maus tratos na Casa do Kastelo "após tomada de conhecimento de alegadas situações que caso sejam comprovadas são inaceitáveis".

Mais de 70 medicamentos inovadores aprovados em Portugal só no ano passado

Mais de 70 novos medicamentos foram aprovados no ano passado em Portugal pela Autoridade do Medicamento, que conseguiu reduzir em mais de 200 milhões de euros as condições propostas pelas farmacêuticas.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.