Info

José Sócrates em liberdade

José Sócrates em liberdade
| País
Porto Canal com Lusa

O ex-primeiro-ministro José Sócrates foi libertado hoje, embora fique proibido de se ausentar de Portugal e de contactar com outros arguidos do processo da "Operação Marquês", informou o Ministério Público (MP).

Também o empresário Carlos Santos Silva, amigo de longa data do ex-primeiro ministro socialista e arguido na “Operação Marquês”, viu alterada a medida de coação, deixando de estar em prisão domiciliária, refere uma nota da Procuradoria-Geral da República (PGR).

“O MP promoveu, e o Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC) deferiu, que a medida de coação de obrigação de permanência na habitação, aplicada a José Sócrates e a Carlos Santos Silva, seja substituída pela proibição de ausência do território nacional, sem prévia autorização, e pela proibição de contactos, designadamente com outros arguidos no processo”, acrescenta a nota da PGR.

Ao tomar esta iniciativa, o MP considerou que se mostravam “consolidados os indícios recolhidos nos autos, bem como a integração jurídica dos factos imputados”, o que, na atual fase da investigação, “diminuiu a suscetibilidade de perturbação da recolha e da conservação da prova”.

Considera-se que esses perigos e a eficácia das diligências a desenvolver podem ser acautelados com a aplicação de medidas de coação menos gravosas do que as até aqui impostas a estes arguidos, conclui a nota da PGR.

Contactado pela agência Lusa, João Araújo, advogado de José Sócrates, disse que a decisão surge “tarde e más horas” e que agora vai ler o despacho que possibilitou a libertação do seu constituinte.

Entretanto, um dos advogados de José Sócrates disse que a defesa vai ter acesso aos autos da investigação da Operação Marquês a partir de segunda-feira de manhã.

À saída do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), em Lisboa, João Araújo acrescentou que o procurador já mandou digitalizar os autos para os entregar à defesa, o que só acontecerá na segunda-feira de manhã.

Os advogados de José Sócrates deslocaram-se hoje, ao início da tarde, às instalações do DCIAP, para consultarem os autos da "Operação Marquês", um dia depois de o Tribunal da Relação de Lisboa ter indeferido um requerimento do Ministério Público que pedia a nulidade do acórdão de 24 de setembro, do mesmo tribunal superior, que decretava o fim do segredo de justiça interno da investigação da "Operação Marquês".

Na quinta-feira, o Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) indeferiu o requerimento do Ministério Público (MP) que pedia a nulidade do acórdão que permitia à defesa de José Sócrates ter acesso aos autos da investigação.

A 24 de setembro, a Relação de Lisboa tinha decidido que não se justificava a continuação do segredo de justiça (interno) na "Operação Marquês", pelo que a defesa de José Sócrates deveria ter acesso a todos os autos da investigação.

O acórdão foi assinado pelos juízes desembargadores Rui Rangel (relator) e Francisco Caramelo, os mesmos que hoje decidiram indeferir o requerimento do MP.

Mais tarde, a 05 de outubro, o MP suscitou a nulidade do acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa, um pedido indeferido na quinta-feira.

José Sócrates foi detido a 21 de novembro de 2014, no aeroporto de Lisboa, indiciado pelos crimes de fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais e corrupção passiva para ato ilícito, tendo ficado preso preventivamente no Estabelecimento Prisional de Évora.

A medida de coação foi alterada para prisão domiciliária, com vigilância policial, a 04 de setembro.

Entretanto, o MP anunciou hoje que vai recorrer do acórdão da Relação de Lisboa, que indeferiu o requerimento em que pedia a nulidade do processo, para o Tribunal Constitucional.

+ notícias: País

Mais de 1.070 médicos foram alvo de processos disciplinares em 2018, 45 foram condenados

Mais de 1.070 processos disciplinares a médicos foram abertos no ano passado pelos conselhos disciplinares da Ordem, tendo sido condenados 45, segundo dados hoje divulgados.

Ministra da Cultura defende "revisão crítica" do modelo de apoio às artes

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, defendeu hoje a necessidade de se avançar com uma "revisão crítica" do modelo de apoio às artes, vincando ser uma proposta recolhida nas muitas cartas e intervenções que tem visto.

Atualizado 19-10-2019 11:17

Retirar amianto é 50 vezes mais barato do que tratar doente de cancro

A Quercus alertou hoje que retirar uma cobertura de amianto de uma escola fica 50 vezes mais barato do que tratar um doente com mesotelioma, o cancro da pleura do pulmão provocado pela exposição àquela substância.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Porto Legends - The Underground...