Info

CDU/Porto defende resposta "integralmente pública" para ala pediátrica do S. João

| Norte
Porto Canal com Lusa

Porto, 08 nov (Lusa) -- A CDU/Porto defendeu hoje uma "resposta integralmente pública" na construção da ala pediátrica do hospital de São João, no Porto, criticando a disponibilidade da câmara em apoiar o projeto da associação O Joãozinho.

"A CDU continuará a lutar pela mais célere construção desta ala pediátrica, por medidas urgentes de melhoria das condições atuais deste serviço e pela resposta integralmente pública na primordial defesa dos interesses dos utentes do Hospital de São João e do Serviço Nacional de Saúde (SNS)", referiu em comunicado.

Na quarta-feira, o presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, anunciou estar "disponível para apoiar o projeto da Associação O Joãozinho" para "continuar as obras" da ala pediátrica, resolvendo "o que o Estado não tem conseguido".

"Temos que permitir que as obras do Joãozinho continuem e a câmara está disponível para apoiar esse projeto. Foi dito que havia mecenas para fazer a obra. Mas, se não houver dinheiro, porque é que o Estado não há de apoiar a associação?", afirmou o independente Rui Moreira, em declarações aos jornalistas, após uma reunião com o representante da associação de pais de crianças tratadas naquele centro hospitalar.

"A CDU demarca-se e critica a recente posição do presidente da Câmara Municipal do Porto expressa também na recente carta à Ministra da Saúde pois, sob argumentos alegadamente justos, aponta um caminho que contribuirá para mais atrasos neste processo, retrocedendo e apoiando soluções falhadas que, em troca de um disfarçado mecenato, tendem a longo prazo a hipotecar os direitos dos utentes, dos cidadãos e a prejudicar o SNS", vincou o partido.

Na nota, a CDU recordou serem "exemplo as muitas das atuais parcerias público-privadas", responsabilidade partilhada pelos sucessivos governos do PS, PSD e CDS-PP, "sorvedouros" de uma grande parte do Orçamento de Estado para a Saúde, contribuindo para a falta de investimento crónico no SNS e para o surgimento de situações "tão dramáticas quanto esta".

"Ao presidente da Câmara exige-se que assuma uma postura construtiva e que intervenha junto do Ministério da Saúde reivindicando a adoção das medidas necessárias para agilizar uma resposta pública, conforme o compromisso já assumido pelo Governo, e para que sejam tomadas medidas urgentes para melhorar, desde já, o atendimento, acompanhamento e tratamento das crianças, bem como das suas famílias", referiu.

A CDU considerou ainda que a proposta do PSD e CDS-PP de se proceder a um ajuste direto "não é mais do que demagogia" com assuntos de "enorme seriedade", sabendo-se da sua "duvidosa legalidade e dos prováveis atrasos" quando chegasse ao Tribunal de Contas.

Esta proposta, acrescentou, tenta também "escamotear" as responsabilidades destes dois partidos no atraso da construção da ala pediátrica.

Em janeiro de 2017, o Ministério da Saúde aprovou a construção da ala pediátrica, anunciando um investimento de cerca de 20 milhões de euros.

O Governo autorizou a 19 de setembro a administração do Centro Hospitalar Universitário de São João a lançar o concurso para a conceção e construção das novas instalações do Centro Pediátrico.

A ministra da Saúde afirmou na terça-feira no parlamento que não dormirá tranquila enquanto o problema da nova ala pediátrica do hospital de São João não estiver resolvido, mas não se comprometeu com datas e rejeitou a possibilidade de um ajuste direto para a obra.

SYF // MSP

Lusa/Fim

+ notícias: Norte

Colisão em Vilar do Paraíso faz quatro feridos. Dois graves

Uma colisão entre um veículo ligeiro e um motociclo provocou dois feridos graves e dois ligeiros, na tarde desta quinta-feira, em Vila de Paraíso, Vila Nova de Gaia, apurou o Porto Canal junto dos Bombeiros Sapadores de Vila Nova de Gaia.

Idosa desaparecida há cinco dias encontrada morta

A mulher de 79 anos que estava desaparecida desde o passado sábado, em Labruge, Vila do Conde, foi encontrada morta por um vizinho num terreno de construção perto da casa da idosa.

População de Vila Seca e Milhazes preocupados com as crateras e as piscinas a céu aberto da exploração de caulinos

Os habitantes das freguesias de Vila Seca e Milhazes, em Barcelos, temem há muito pela segurança. Em causa estão as crateras e as piscinas a céu aberto causadas pela exploração de caulinos.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS