Governo aprova regras de aplicação do regime de duodécimos até novo orçamento

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 17 dez (Lusa) - O Governo aprovou hoje os critérios de aplicação do regime de duodécimos com base na lei do Orçamento deste ano, que vigorará a partir de 1 janeiro de 2016, visando a "estabilidade da transferência de ano orçamental".

Esta decisão consta do comunicado final do Conselho de Ministros e foi transmitida aos jornalistas pela ministra da Presidência, Maria Manuel Leitão Marques.

No comunicado refere-se que o executivo aprovou "um conjunto de medidas que preveem uma rigorosa execução por duodécimos da lei do Orçamento do Estado para 2016".

Este regime irá vigorar durante um período transitório, a partir de 1 de janeiro de 2016 e a entrada em vigor do novo Orçamento do Estado para 2016.

"Assegura-se assim a estabilidade da transferência de ano orçamental, evitando-se qualquer perturbação no funcionamento dos serviços e no cumprimento das funções essenciais do Estado e demais organismos públicos", acrescenta-se no documento do Governo.

PMF // SMA

Lusa/fim

+ notícias: Política

França disponível para "revisitar" interligações ibéricas de energia

O secretário de Estado português dos Assuntos Europeus, Tiago Antunes, obteve esta terça-feira da sua homóloga gaulesa disponibilidade para "revisitar" a questão das interligações ibéricas de energia, em encontro até ao final do ano com Portugal e Espanha.

Fim da propina para ensino de português no estrangeiro não passará no parlamento, afirma Paulo Pisco

Os pareceres do BE, PCP e PAN sobre a eliminação da propina para o ensino de português no estrangeiro foram esta terça-feira votados favoravelmente em comissão parlamentar, uma intenção que não passará no parlamento, segundo o deputado socialista Paulo Pisco.

MAI diz que novo plano de investimentos para forças de segurança é oportunidade para o país

O ministro da Administração Interna disse esta terça-feira que o novo plano de investimento em infraestruturas e equipamentos das forças de segurança até 2026 é “uma oportunidade” para o país e para a resolução dos problemas das polícias.