Trabalhadores do JN avançam com pré-aviso de greve contra despedimento coletivo da Global Media

Trabalhadores do JN avançam com pré-aviso de greve contra despedimento coletivo da Global Media
Foto: Pedro Benjamim | Porto Canal
| País
Porto Canal / Agências

Os trabalhadores do Jornal de Notícias (JN) decidiram esta sexta-feira, em plenário, solicitar à administração da Global Media Group (GMG) “o cabal esclarecimento” sobre o possível despedimento de 150 pessoas e avançar com um pré-aviso de greve para dezembro.

Em comunicado após um plenário de trabalhadores realizado esta sexta-feira, a redação do JN referiu que as representantes dos trabalhadores foram convocadas esta quinta-feira pela administração da GMG, onde lhes foi comunicada “a intenção de proceder ao despedimento coletivo de 140 a 150” trabalhadores no grupo.

Em específico, foi transmitido às delegadas sindicais do JN que estavam em causa “56 trabalhadores dos serviços partilhados e setor comercial, 40 da redação do Jornal de Notícias, 30 da TSF e um número ainda indefinido de O Jogo”, pode ler-se.

Sobre esta comunicação, a redação do JN decidiu repudiar as declarações da administração do GMG à comunicação social na quinta-feira, em que negou a intenção, considerado “um ato de desrespeito pela redação na pessoa dos seus representantes eleitos”.

O novo presidente do Conselho de Administração do GMG, José Paulo Fafe, referiu na quinta-feira ao portal Eco que “não há decisão nenhuma”.

“Há a necessidade de conter despesas, de aumentar receitas e de racionar os custos. Há várias medidas que podem ser implementadas, estamos a estudá-las”, salientou José Paulo Fafe.

A redação do JN decidiu, por isso, solicitar à administração do GMG “o cabal esclarecimento, até ao final da manhã da próxima quarta-feira, dia 29 de novembro, sobre o que pretende efetivamente levar a cabo”.

Os trabalhadores do JN solicitaram também ao Sindicato dos Jornalistas “a preparação de um pré-aviso de greve para os dias 06 e 07 de dezembro”, convocando ainda um novo plenário para 30 de novembro.

Ainda de acordo com o comunicado, a redação do JN está a ponderar “acionar os meios legais e judiciais ao seu dispor na defesa dos direitos dos trabalhadores”, sublinhando “a força e a importância do título-âncora do GMG, o Jornal de Notícias”.

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) referiu esta sexta-feira, em comunicado, que considera “inadmissível, inviável e impensável” a intenção do Global Media Group de avançar com o despedimento de 150 pessoas, lembrando que é “quase um terço dos cerca de 500 trabalhadores da empresa”.

De acordo com o SJ, esta intenção, “com impacto primordial na TSF e no JN, é verdadeiramente inadmissível e deve fazer pensar as pessoas e as instituições deste país, pois, por coincidência, vai afetar mais dois dos órgãos que mais têm tentado dignificar as condições de trabalho e dos trabalhadores e com isso a defender o jornalismo de qualidade”.

A estrutura sindical criticou ainda o novo presidente do Conselho de Administração do GMG, José Paulo Fafe, por ter desmentido, em declarações a meios de comunicação social, o que “a administração anunciou de viva voz a vários representantes de trabalhadores no grupo”, referindo que os despedimentos são apenas “uma hipótese teórica”.

O PCP questionou o Governo sobre se tem conhecimento da situação económica da GMG e o que irá fazer relativamente à intenção de despedir centena e meia de trabalhadores.

Em requerimentos enviados aos ministros do Trabalho, da Cultura, da Economia e das Finanças, através do parlamento, o Grupo Parlamentar do PCP pretende esclarecer "que acompanhamento está [o Governo] a fazer, ou tenciona fazer, do anunciado despedimento coletivo" e "que diligências pretende tomar para salvaguardar os postos de trabalho e os direitos dos trabalhadores?"

Os comunistas perguntaram também ao executivo quais os "apoios concretos, diretos ou indiretos, do Estado" de que a GMG tem beneficiado.

+ notícias: País

Vítor Matos sobre as duas estrelas Michelin: "Não é só um prémio, é uma responsabilidade"

A surpresa e a emoção de alcançar duas estrelas Michelin dominavam os sentimentos do chef Vítor Matos, do Antiqvvm (Porto), que não escondeu a sua desilusão por nenhum restaurante ter conseguido obter a terceira estrela.

FC Porto vai ter jogo difícil frente a Belenenses moralizado afirma Paulo Fonseca

O treinador do FC Porto, Paulo Fonseca, disse hoje que espera um jogo difícil em casa do Belenenses, para a 9.ª jornada da Liga de futebol, dado que clube "vem de uma série de resultados positivos".

Proteção Civil desconhece outras vítimas fora da lista das 64 de acordo com os critérios definidos para registar os mortos dos incêndios na região centro

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) disse hoje desconhecer a existência de qualquer vítima, além das 64 confirmadas pelas autoridades, que encaixe nos critérios definidos para registar os mortos dos incêndios na região centro.