“Um grande homem”. Jorge Nuno Pinto da Costa recorda Américo antes de jogo frente ao Gil Vicente

“Um grande homem”. Jorge Nuno Pinto da Costa recorda Américo antes de jogo frente ao Gil Vicente
| Desporto
Porto Canal

O presidente do FC Porto recordou o antigo guarda-redes portista Américo, antes do jogo entre FC Porto e Gil Vicente, este sábado.

“O Américo foi um jogador que eu conheci bem”, disse Jorge Nuno Pinto da Costa. “Está ligado à história do FC Porto quando era mais raro, ou mais difícil, vencer títulos. Venceu a Taça de Portugal com o Pedroto como treinador na primeira passagem pelo FC Porto".

 

O presidente portista lembrou o estilo de Américo entre os postes. “Era um guarda-redes extraordinário, tinha um estilo totalmente diferente do que hoje é normal. Recordo-me quer fossem pontapés de cantos, fossem cruzamentos, ele saía sempre, nem que fosse no limite da área. Foi um grande guarda-redes, mas sobretudo era um grande homem. Recentemente, tivemos o prazer de lhe entregar um Dragão de Ouro. É uma saudade”, finalizou Pinto da Costa.

Antigo guarda-redes tinha 90 anos e era o último sobrevivente da equipa campeã em 1958/59

Américo, antiga lenda das balizas portistas que havia completado a 27 de fevereiro 90 anos e era o último sobrevivente da equipa que venceu o “campeonato-Calabote”, em 1958/59. Parte um Dragão de excelência, um ídolo de diversas gerações e um testemunho vivo de lealdade e perseverança no amor ao FC Porto, clube ao qual toda a vida esteve ligado e assim permanecerá, com certeza.

Américo Ferreira Lopes nasceu em Santa Maria de Lamas, no concelho de Santa Maria da Feira. Como era frequente na altura, só foi registado alguns dias mais tarde e ficou com 6 de março como data de nascimento oficial.

Conhecido simplesmente como Américo, ingressou no FC Porto pela porta da equipa de juniores e logo se destacou pela segurança com que defendia a baliza azul e branca. Subiu cedo à equipa principal e tornou-se reserva do mítico Barrigana, tendo disputado o primeiro jogo oficial em dezembro de 1952, ano da inauguração do Estádio das Antas.

Em anos muito difíceis, sobretudo para quem representava o FC Porto, afirmou-se como um dos melhores jogadores da liga portuguesa na década de 1960 e foi distinguido com a primeira edição do prémio Baliza de Prata, destinado ao melhor guarda-redes nacional, em 1964.

No FC Porto, clube que ajudou a conquistar uma edição da Liga portuguesa e outra da Taça de Portugal, foi galardoado com o Troféu Pinga, em 1966, e com o Dragão de Ouro de recordação do ano, em 2017. Pela seleção de Portugal, participou em 15 jogos e integrou o plantel que participou no Mundial de 1966, em Inglaterra.

 

+ notícias: Desporto

Associação Europeia de Estádios destaca nova sala sensorial do Dragão

A ESSMA- Associação Europeia de Estádios destacou esta terça-feira a sala sensorial INZONE do Estádio do Dragão e como o FC Porto tem apostado, nos últimos anos, "numa experiência de jogo mais inclusiva". A nova sala sensorial do estádio dos azuis e brancos foi inaugurada este mês de fevereiro e é inédita em Portugal.

Proibido de inscrever jogadores, Boavista escolhe novo presidente a 15 de março

O novo presidente do Boavista será escolhido a 15 de março. A decisão sairá da reunião de uma assembleia geral de acionistas, onde Gérard Lopez, com posição maioritária, irá propor o nome do novo presidente da SAD axadrezada.

'Casuals' e 'No Name Boys'. O pacto de silêncio sobre a violação de adepto do Benfica

O julgamento arrancou segunda-feira em Lisboa e está a ser marcado pela falta de cooperação dos arguidos que estão a ser ouvidos no Campus da Justiça. De acordo com o Correio da Manhã, a própria procuradora do caso já ironizou que "até parece que os No Name Boys são um assunto sobre o qual não se pode falar".