António Cunha: “Há 40 anos, o Norte de Portugal estaria à frente da Galiza em todas as estatísticas, hoje não”

| País
Porto Canal

António Cunha, presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), destacou, esta quinta-feira, em entrevista ao Porto Canal, em reação à grande reportagem do Porto Canal “Galiza: Espelho da Autonomia”, que, se há 40 anos o Norte de Portugal estaria à frente da Galiza em todas as estatísticas de desenvolvimento, atualmente o cenário é oposto.

"Hoje é preciso andar a procurar muito nos dados algum indicador de desenvolvimento, de riqueza, de qualidade de vida onde o Norte de Portugal esteja numa situação superior à galega", começou por dizer. 

O dirigente teceu ainda rasgados elogios ao modelo político vizinho, cujos resultados estão à vista. 

"A autonomia galega revelou-se de grande sucesso para o seu desenvolvimento, mesmo dentro de Espanha, foi uma dads regiões que teve um desenvolvimento mais acentuado. Era uma regiião muito pobre de Espanha e hoje tornou-se uma região que já não ocupa esse lugar", acrescentou, sublinhando os setores de atividades alavancados. 

"A Galiza tem índices de desenvolvimento muito interessantes, porque a autonomia permitiu apostas na economia muito fortes em determinados setores. O projeto galego é um projeto de afirmação cultural. A história da Galiza é a história de uma nação cultural europeia e a região teve a lucidez de fazer apostas muio interessantes ao nível do desenvolvimento económico, ao nível da educação", destacou. 

Sobre o panorama nacional, António Cunha defende que a Regionalização é um passo necessário, apesar da indefinição que marca o processo. 

"Tenho sempre dificuldade em avaliar a situação portuguesa. Nós temos, neste momento, uma diferença entre os dois principais partidos na oportunidade de fazer um referendo. Pelo menos não é isso que têm sido as declarações públicas do responsável do partido da oposição no sentido de ser coontrário à regionalização. Há uma questão de oportunidade, há uma questão do referendo. É evidente que adiar muitas vezes significa comprometer projetos seguros e adiar a Regionalização e adiar a regionalização para mim é algo que não devíamos fazer. Acho que este momento o importante é dar os passos certos nesse sentido e construir esse futuro e torná-lo e consolidá-lo e consumá-lo quando a situação política o permitir", concluiu. 

A reportagem “Galiza: Espelho da Autonomia” traça um retrato social, político e económico da Galiza nos últimos 40 anos. A região que vive de “braços dados” com o Norte de Portugal é considerada comunidade autónoma desde 1981, altura em que foi assinado o estatuto que ainda hoje está em vigor.

Veja aqui a grande reportagem completa:

 

+ notícias: País

DGS emite orientações para unidades de saúde detetarem precocemente casos de sarampo

A Direção-Geral da Saúde (DGS) emitiu orientações para as instituições prestadoras de cuidados de saúde para promover um “inquérito de risco infeccioso” na admissão do doente para identificar precocemente casos suspeitos de sarampo.

Mais de 500 pessoas detidas numa semana em Portugal

504 pessoas foram detidas pela Polícia de Segurança Pública (PSP) em todo o país, entre 15 a 21 de junho. Entre as detenções, 145 são relativas a crimes rodoviários, sendo que 68 são por condução sob o efeito de álcool e 77 por falta de habitação legal para conduzir.

Ministério da Saúde adia reuniões com sindicatos médicos

O Ministério da Saúde adiou as reuniões negociais que estavam agendadas para a próxima semana com a Federação Nacional dos Médicos e o Sindicato Independente dos Médicos, disseram hoje à Lusa os respetivos líderes sindicais.