Miguel Reis, presidente da câmara de Espinho, renuncia ao mandato

| País
Porto Canal

Suspeito de corrupção, o edil, que tomou posse em outubro de 2021, anunciou esta quinta-feira que renunciou ao mandato da autarquia espinhense.

A notícia é avançada pelo jornal Público que cita fonte da defesa de Miguel Reis. O demissionário está detido desde terça-feira por suspeitas de corrupção ativa e passiva, prevaricação, abuso de poder e tráfico de influências, no âmbito da Operação Vórtex.

Em nota enviada à Lusa, Miguel Reis declara: “Na sequência das diligências efetuadas no âmbito da Operação Vórtex, tomei, de livre e espontânea vontade, a decisão de renunciar, com efeitos imediatos, ao mandato para o qual fui eleito na Câmara Municipal de Espinho e, consequentemente, nas instituições onde, por inerência de funções, representava a autarquia. Uma renúncia que se estende às funções que exercia nos diferentes níveis de organização do Partido Socialista”.

O assim ex-presidente da câmara diz que toma a decisão “de consciência absolutamente tranquila” e acrescenta: “Reitero, de forma inequívoca, a minha inocência perante as acusações que me são imputadas e repudiando, de forma veemente, as informações e acusações falsas e sem a mínima correspondência com a realidade que foram sendo avançadas nos últimos dias, com particular repulsa pela manchete que hoje mesmo foi publicada por um órgão de comunicação social”.

Miguel Reis espera assim “resguardar” a sua família “dos efeitos nocivos da exposição mediática” associada ao caso, focar-se na sua “plena defesa” e também “salvaguardar o normal funcionamento da instituição ‘Câmara Municipal de Espinho’”.

Ainda detido nas instalações da Polícia Judiciária do Porto quando remeteu o comunicado à Lusa, o arquiteto acrescenta: “Sempre encarei o exercício de funções autárquicas e a participação na vida política como um ato desinteressado de cidadania ativa. Aliás, repetidamente defendi não ‘ser’ presidente de câmara e apenas ‘estar’ como presidente de câmara, encarando esta função com espírito de missão e como um mero lugar de passagem”.

É aludindo a esse “sentido de desapego e independência” que Miguel Reis quer agora preservar os interesses de Espinho, recordando: “Sempre mantive uma voz ativa em defesa de Espinho e dos espinhenses, alertando, antes e depois de exercer funções autárquicas e em diferentes momentos e fóruns, para alguns dos factos e práticas que agora constituem a base e a essência desta investigação – e que não incidem em atos praticados por mim ou durante a vigência do meu mandato”.

Fonte oficial da Câmara de Espinho diz que será agora iniciado o processo de sucessão, que deverá confiar a liderança da autarquia a Álvaro Monteiro, atual vice-presidente da mesma e antigo presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar de Gaia e Espinho.

+ notícias: País

Sindicato dos guardas prisionais prepara queixa-crime contra líder de associação de apoio aos reclusos

O Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional (SNCGP) vai processar o secretário-geral da Associação Portuguesa de Apoio ao Recluso (APAR), Vítor Ilharco, após este criticar a alegada proteção de alguns sindicatos a situações de agressões a reclusos.

FC Porto vai ter jogo difícil frente a Belenenses moralizado afirma Paulo Fonseca

O treinador do FC Porto, Paulo Fonseca, disse hoje que espera um jogo difícil em casa do Belenenses, para a 9.ª jornada da Liga de futebol, dado que clube "vem de uma série de resultados positivos".

Proteção Civil desconhece outras vítimas fora da lista das 64 de acordo com os critérios definidos para registar os mortos dos incêndios na região centro

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) disse hoje desconhecer a existência de qualquer vítima, além das 64 confirmadas pelas autoridades, que encaixe nos critérios definidos para registar os mortos dos incêndios na região centro.