Porto: o caos no trânsito e os cinco principais pontos críticos da cidade

Porto: o caos no trânsito e os cinco principais pontos críticos da cidade
| Norte
Porto Canal

O trânsito no Porto pode ser uma dor de cabeça para quem tem de atravessar a cidade. Ao longo dos anos, o número de veículos em circulação nas principais vias da cidade tem aumentado, o que faz com que a rede fique congestionada. A travessia do rio Douro é exemplo do caos que podem ser as horas de ponta, mas não é o único.

Travessia Gaia – Porto: Ponte da Arrábida

Um dos principais problemas, mesmo antes de chegar à cidade do Porto, é a travessia do rio Douro. Até ao momento, existem quatro opções: a Ponte da Arrábida, a ponte Luís I, a Ponte do Infante e a Ponte do Freixo, sendo que a ponte Luís I não é, de momento, uma alternativa, uma vez que se encontra em fase de obras de restauro e, por isso, encerrada ao trânsito.

Assim sendo, das três opções existentes, a Ponte da Arrábida é a que representa uma maior sobrecarga da infraestrutura. Há vários anos que o número diário de veículos é o mesmo, o que faz com que esta ponte esteja na capacidade máxima de utilização.

 

 

Avenida AEP / Nó de Francos

Outro grande problema de congestionamento na cidade é o nó de Francos, problema que se estende para a Avenida AEP e para a ligação com a A28. Estes são dos primeiros pontos na cidade a ficar congestionados, quando a rede ultrapassa a capacidade máxima.

Todo este eixe representa o estrangulamento da rede de circulação, o que significa que se existir bloqueio nestes sítios, as ligações e vias mais próximas também ficam congestionadas.

 

 

Ligação da VCI com a A3

Qualquer utilizador da Via de Cintura Interna reconhece que consiste num dos principais problemas da cidade, especialmente por se tratar do grande eixo não portajado do Porto. A ligação desta via com a A3 acaba por representar um bloqueio constante daquele troço, uma vez que acaba por ter muito fluxo que não teria de passar por aqui, se a A4 não fosse portajada. No geral, o congestionamento da VCI é uma resposta natural à forma como os pórticos estão introduzidos nas autoestradas.

 

 

Rua infante D. Henrique

Nesta zona da baixa, ainda é percetível o traçado medieval da cidade e não existem grandes alternativas de percurso. As obras constantes e o piso em paralelo, que acaba por ser algo escorregadio, além de provocarem alguns acidentes, causam muita demora na circulação.

O acesso à Estação de São Bento também se torna complicado, uma vez que as vias são estreitas e não existe alternativa de acesso, para quem se encontra nesta zona da cidade.

 

 

Rua de Faria Guimarães

No que diz respeito a acessos à VCI, é incontornável falar da Rua de Faria Guimarães, uma vez que se trata das poucas alternativas para sair do centro da cidade. Nesta rua convergem outras tantas e a solução encontrada foi a instalação de vários semáforos ao longo desta rua. Ainda que a solução seja inevitável, acaba por tornar o trânsito ainda mais demorado.

No geral, todas as entradas para VCI ficam bloqueadas e, para quem tem de atravessar o Porto, torna-se difícil evitar estas vias, fazendo com que os utilizadores passem demasiado tempo em filas de trânsito.

 

 

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 

Uma publicação partilhada por Porto Canal (@porto.canal)

 

 

+ notícias: Norte

Porto Business School entre as melhores escolas de gestão da Europa, de acordo com o Financial Times

Nova SBE, Católica Lisbon School of Business and Economics, Porto Business School, ISEG e Iscte Business School são as cinco escolas portuguesas que fazem parte do top 95 das melhores escolas de gestão da Europa. 

Oliveira de Azeméis vai criar 92 camas para alunos do Ensino Superior

A Cruz Vermelha Portuguesa e Universidade de Aveiro vão investir quase quatro milhões de euros para criar alojamento para 92 alunos que frequentem o ensino superior em Oliveira de Azeméis, revelou esta quinta-feira essa autarquia do distrito de Aveiro.

Circo de Natal está de regresso para animar cerca de sete mil crianças de Braga

O Circo de Natal está de volta a Braga para animar a comunidade educativa e o público em geral. As crianças dos jardins de infância e das escolas do 1.º ciclo do concelho voltam a viver a magia do Circo, num momento de profunda alegria nesta época natalícia.