António Sarmento, primeiro vacinado contra a COVID-19 em Portugal, deixa direção do serviço de Infecciologia do Hospital de São João

| Norte
Porto Canal

António Sarmento, o primeiro vacinado contra a COVID-19 em Portugal, numa cerimónia no final de 2020 que marcou o início do maior plano logístico jamais implementado no país, retirou-se da direção de serviço de Infecciologia do Hospital de São João, que liderava há 16 anos.

Para o agora ex-diretor, “ser médico é quase como no amor.” É preciso alimentar o gosto. E foi a paixão pela atividade clínica que o manteve 16 anos na liderança da equipa. “Não deixei isto por cansaço nem por falta de saúde, e a intenção não é reformar-me”, garante.

Embora tenha abandonado oficialmente o cargo no dia 15 de julho, para ser rendido no lugar por Maria de Lurdes Santos, diz querer continuar a passar nos corredores. “É evidente que vou continuar a ser médico. Tenho mais três anos para me manter no hospital.”

“As pessoas transcenderam-se”

A paixão pela medicina surgiu quando teve de decidir o que estudar. Deixou a engenharia de parte e agarrou mais de 40 anos de profissão. Formou-se em mais duas especialidades – farmacologia clínica e medicina intensiva –, mas foi como infecciologista que passou pelo maior desafio da carreira: a gestão, na linha da frente, da resposta à pandemia de COVID-19. “Foram períodos muito difíceis”, recorda, sem, no entanto, deixar de sublinhar aspetos positivos: “Naquela fase pior, as pessoas transcenderam-se.”

Um enfarte depois da pandemia

“Foram períodos muito pesados. Nesta fase, estamos a viver a ressaca do cansaço”, afirma. Depois da fase mais conturbada da pandemia, António Sarmento sofreu “um problema grave de coração”, um enfarte que o obrigou a uma cirurgia cardíaca urgente e três enxertos. “Acho que foi do stress, claramente. Não tenho fatores de risco, mas tive uma doença grave. É o stress que mata”, desabafa. Até cinco dias antes do incidente, o então diretor ainda integrava regularmente escalas de urgências noturnas.

Subfinanciamento e “burnout” ameaçam SNS

Aos 66 anos e na reta final da profissão, o médico e professor da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto relaciona o estado de “burnout” que atravessam os médicos com o subfinanciamento crónico do SNS.
No entender de António Sarmento, não são as questões salariais as que mais preocupam os profissionais de saúde e que estão na origem do “burnout”, mas sim “sentir que não têm condições para tratar com dignidade os seus doentes.”

O antigo diretor antevê novas pandemias e garante que, também por isso, é necessário um maior investimento no Serviço Nacional de Saúde.

+ notícias: Norte

Continua tudo na mesma. Comboio da CP com destino ao Pocinho sobrelotado

Pouco mais de uma semana depois, o Porto Canal teve acesso a imagens exclusivas que mostram um comboio da CP na linha do Douro completamente sobrelotado.

Dois homens esfaqueados na rua em Braga. Agressor em fuga

Dois homens foram esfaqueados na tarde desta quarta-feira, na Rua de Ambrósio dos Santos, em São Vítor, em Braga, e foram transportados para o Hospital de Braga com ferimentos ligeiros. O agressor fugiu e está a ser procurado pela PSP.

TAP não aposta na Europa, mas low costs reforçam destinos. Como vai ser o inverno no Aeroporto do Porto?

A TAP vai manter, no inverno de 2022, a estratégia utilizada no ano passado para o Aeroporto Francisco Sá Carneiro: apostar nas ligações diretas com o Brasil e na ponte aérea para Lisboa. De fora do investimento da companhia área nacional ficam, mais uma vez, os principais destinos europeus, mas as low costs vão tentar suprir as necessidades da região norte. É o retrato da temporada de inverno no Aeroporto do Porto, que arranca já no mês de novembro.