TAP: Empresa afirma gastar menos com alugueres face a 2018 e 2019

| Economia
Porto Canal / Agências

Lisboa, 13 ago 2022 (Lusa) - A TAP afirmou hoje à Lusa que, até à data atual, gastou menos que em 2018 e 2019 em alugueres de aviões com todos os serviços incluídos, contrariando acusações do sindicato dos pilotos.

"Desde o início do ano e até à data atual, a TAP está gastar em ACMI [aluguer de aviões com tudo incluído - Aircraft, Crew, Maintenance e Insurance - avião, pessoal, manutenção e seguros] apenas 45% do que gastou em 2018 e 70% do que gastou em 2019, no mesmo período", disse fonte da TAP à Lusa.

Na quarta-feira, o Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) acusou a gestão da TAP de "desperdiçar" as receitas do verão com "milhões de erros" ao longo do ano, como a contratação externa de serviços.

Entre os aspetos apontados pelo SPAC, está a contratação externa de serviços a várias companhias aéreas, "algumas com sede em paraísos fiscais", que, segundo o sindicato, "quase triplicou" em 2022, depois de ter dispensado aviões e pilotos.

Numa mensagem enviada hoje aos trabalhadores da manutenção, a que a Lusa teve acesso, o diretor-geral de Manutenção & Engenharia [ME] da TAP, Mário Lobato Faria, justificou a contratação de inspeção de aeronaves ao exterior da empresa com "falta de capacidade", tal como sucedeu em 2016 e 2017.

"Essa ausência de capacidade prende-se sobretudo com os constrangimentos impostos pelo aeroporto, com a internalização das inspeções dos A330, antes feitas na ME Brasil [divisão entretanto encerrada] e com limitações acrescidas na gestão dos slots dos nossos hangares", pode ler-se na mensagem,

As limitações devem-se aos novos Airbus A330 NEO, refere, com os 'slots' no hangar a passarem de três para dois "no que respeita aos A330", deixando também de ser possível a "facilidade de 'arrumar' A320 passando por baixo das asas dos A330", devido às 'sharklets' [componente aerodinâmico na ponta das asas]".

O responsável frisou ainda a redução de pessoal e as medidas dos acordos de emergência, "que introduziram regimes de 'part time' [tempo parcial] para os associados do SITEMA [Sindicato dos Técnicos de Manutenção de Aeronaves] e que foi possível terminar desde 01 de agosto, o que representou um aumento equivalente de capacidade de cerca de 67" técnicos.

Na nota enviada à Lusa, a TAP considerou que "a estratégia de comunicação do SPAC tem-se centrado no ataque constante à gestão" da empresa, defendendo que "a realidade não se constrói através de ataques constantes e narrativas destrutivas injustificadas".

"A qualidade e sucesso da gestão de qualquer empresa é medida pelos indicadores e resultados obtidos por essa gestão", referindo a TAP que apresentará resultados no dia 23 de agosto, sendo eles, "e todos os indicadores que eles vão evidenciar, que falam sobre a qualidade e credibilidade da gestão da TAP".

Na quarta-feira, o SPAC lembrou que em 2018 a TAP recorreu à contratação externa de companhias aéreas para realizar os seus voos, pagando cerca de 200 milhões de euros.

"As contas deste ano vão refletir a profundidade desta ação com bastante mais que os 200 milhões de euros pagos em 2018", anteviu o sindicato, acrescentando que se trata de "valores que a gestão não divulga, a tutela não vigia e os contribuintes pagam".

Três sindicatos do setor da aviação apelaram aos associados para participarem numa "marcha silenciosa" inédita na terça-feira para "continuar a chamar a atenção de todos" para a situação que, "infelizmente, hoje se vive na TAP Air Portugal", foi anunciado pelo SPAC, pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) e Sindicato dos Técnicos de Manutenção de Aeronaves (SITEMA).

No início do mês, o SPAC juntou mais de 400 pilotos da TAP numa manifestação em Lisboa, junto à sede da empresa.

 

JE (JO/MPE/MC) // PDF

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Juro médio dos novos créditos à habitação registam maior subida mensal desde 2003

A taxa de juro média dos novos empréstimos à habitação aumentou para 2,86% em outubro, contra 2,23% em setembro, o valor mais alto desde janeiro de 2015 e a maior subida mensal em 19 anos, divulgou hoje o BdP.

Limite de 60 dólares por barril de petróleo russo. Proposta aprovada pela UE

Os países da União Europeia (UE) concordaram com um limite de preço de 60 dólares por barril para o petróleo russo, no âmbito das sanções para evitar picos de preços de combustíveis e para prejudicar os interesses de Moscovo.

Queda dos preços dos combustíveis levam a redução do desconto no ISP em dezembro

O Ministério das Finanças anunciou esta sexta-feira que em dezembro há uma redução do desconto do ISP em 3,9 cêntimos por litro de gasóleo e em 2,4 cêntimos por litro de gasolina, tendo em conta a queda dos preços.