"Uma das mais notáveis poetas, tradutoras e académicas portuguesas." Câmara do Porto lamenta morte de Ana Luísa Amaral

"Uma das mais notáveis poetas, tradutoras e académicas portuguesas." Câmara do Porto lamenta morte de Ana Luísa Amaral
| Norte
Porto Canal

A Câmara Municipal do Porto lamentou a morte da escritora, poetisa e tradutora Ana Luísa Amaral, esta sexta-feira, aos 66 anos, "vítima de doença prolongada."

Numa nota publicada no portal porto.pt, a autarquia portuense considerou Ana Luísa Amaral "uma das mais notáveis poetas, tradutoras e académicas portuguesas."

Leia a nota na íntegra:

Com uma extensa e reconhecida obra como poeta, no plano nacional e internacional, Ana Luísa Amaral foi galardoada em 2021 com o Prémio Rainha Sofia de Poesia Ibero-Americana.

O nome de Ana Luísa Amaral foi o escolhido pela organização da Feira do Livro para ser homenageado na edição de 2022 do certame literário. Num vasto programa pensado em torno do trabalho da autora, destaca-se o descerramento da tília de homenagem, às 15 horas do dia 27 de agosto.

Em 2016, o município havia honrado a autora com a medalha da cidade. “Agora ficará ligada a uma das tílias dos jardins do Palácio de Cristal. É a forma de a cidade a homenagear para sempre”, congratulou-se o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, na conferência de imprensa de apresentação da Feira do Livro 2022.

“A Feira do Livro tornou-se uma referência muito importante em Portugal. De alguma maneira, espalhou-se pelo país e internacionalizou-se”, sublinhou Ana Luísa Amaral, na última intervenção pública que teve, há pouco mais de uma semana, na sessão que serviu para apresentar os traços gerais da programação do evento.

Nascida em Lisboa, Ana Luísa Amaral abraçou a vida no norte e admitiu, na mesma ocasião, sentir o Porto como a sua cidade: “Eu nasci em Lisboa, cresci em Sintra, vim para o norte e ao início detestei. Mas o Porto, neste momento, é a minha cidade. É a cidade que me acolheu, uma cidade maravilhosa.”

Em junho havia sido publicada a antologia poética “O Olhar Diagonal das Coisas”, editada pela Assírio & Alvim, que reúne os 17 livros de poemas assinados até aqui por Ana Luísa Amaral, que inclui obras desde “Minha Senhora de Quê” (editado em 1990) até ao mais recente “Mundo” (lançado no ano passado).

O velório de Ana Luísa Amaral irá decorrer hoje, sábado, a partir das 17 horas na Capela do Corpo Santo, em Leça. O funeral realiza-se amanhã, domingo, às 11h15 no Tanatório de Matosinhos.

+ notícias: Norte

Populares e ativistas marcaram presença num protesto contra a exploração de lítio na mina do Barroso

Na manhã desta terça-feira, dezenas de populares e ativistas marcaram presença numa manifestação contra a exploração de lítio na mina do Barroso. A arruada simbólica serviu de alerta para os impactos ambientais e para a escassez de água de que a região enfrenta e que a extração mineira pode agravar.

Trabalhadores da maior produtora de cogumelos frescos em greve por melhores salários e condições de trabalho

Os trabalhadores das unidades de produção da maior produtora de cogumelos frescos do país estiveram em greve ao longo desta terça-feira. Ao que apurou o Porto Canal, os trabalhadores exigem um aumento dos salários, do subsídio de alimentação e ainda melhores condições de trabalho.

Uso "desenfreado" de trotinetes aumentou "medo de usar o espaço público" em invisuais

O uso "desenfreado e sem civismo" de trotinetes aumentou o medo de usar o espaço público nas pessoas invisuais, agudizando o sentimento de isolamento de quem não vê, denunciou esta terça-feira a Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal.