“Eu nasci em Lisboa, mas o Porto é a minha cidade." — Ana Luísa Amaral (1956-2022)

“Eu nasci em Lisboa, mas o Porto é a minha cidade." — Ana Luísa Amaral (1956-2022)
| Norte
Porto Canal

A escritora, poestisa e tradutora Ana Luísa Amaral morreu esta sexta-feira, aos 66 anos, vítima de doença prolongada.

Ana Luísa Ribeiro Barata do Amaral nasceu em Lisboa, na Maternidade Alfredo da Costa, a 5 de abril de 1956. Mas foi no Porto, a "sua" cidade, que viveu grande parte da sua vida. Aos nove anos deixou Sintra e deslocou-se para Leça da Palmeira, lugar que adoptou como seu.

Segundo o portal da Universidade do Porto, alma mater da poetisa, a sua infância foi marcada pela leitura de obras de autores anglo-saxónicos, como Walter Scott (1771-1832), Washington Irving (1783-1859), Louisa Alcott (1832-1888) e Enid Blyton (1897-1968). 

Entre os dez e os dezasseis anos de idade frequentou um colégio de freiras espanholas e, mais tarde, estudou Germânicas na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, onde veio a lecionar.

Em 1985 realizou provas de aptidão pedagógica e capacidade científica na especialidade de Literatura Inglesa. Novamente na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, em 1996, defendeu provas de doutoramento na especialidade de Literatura Norte-Americana, tendo sido aprovada com distinção e louvor. A tese que apresentou intitula-se Emily Dickinson: uma poética de excesso.

Durante a década de 80 deslocou-se pontualmente a Inglaterra. Viveu nos Estados Unidos da América entre 1991 e 1992.

Recentemente, na sessão de apresentação da Feira do Livro do Porto, evento que a escolheu como personalidade a homeangear na edição de 2022, Ana Luísa Amaral afirmou que, apesar de ter nascido em Lisboa, o Porto era a sua minha cidade: "É a cidade que me acolheu, uma cidade maravilhosa.”

+ notícias: Norte

Combate estabilizado no Marão com previsão de melhorias à noite

O combate ao incêndio que lavra na serra do Marão, em Vila Real, está estabilizado, apesar da maior intensidade do vento, sendo esperadas melhorias com o cair da noite, disse à Lusa o segundo comandante distrital da Proteção Civil.

Fogo no Marão com duas frentes em zona de "difíceis acessos"

O incêndio que lavra desde a noite de sábado na serra do Marão tem duas frentes ativas em zonas de "difíceis acessos", mas não ameaça populações, disse à Lusa o segundo comandante operacional da Proteção Civil de Vila Real.

Obras na linha do Norte perturbam normal funcionamento dos comboios 

As obras na linha do Norte têm estado a perturbar o normal funcionamento dos comboios. Segundo sabe o Porto Canal, em causa está o projeto para o troço ferroviário entre Espinho, distrito de Aveiro, e Vila Nova de Gaia, distrito do Porto.