Consultora sem funcionários contratada para decisão do novo aeroporto de Lisboa

| Norte
Porto Canal

O Estado português contratou, por ajuste direto, serviços de consultoria para a escolha da localização do novo aeroporto de Lisboa a uma empresa sem funcionários e sem evidência pública de experiência no setor. A Asa Aviation Consulting tem sede em Londres e não dispõe de qualquer forma de contacto.

No final do ano passado, o Instituto da Mobilidade e Transporte (IMT) assinou um contrato, de 19.500 euros por ajuste direto, para que a Asa Aviation Consulting definisse as regras do concurso público para escolher quem iria fazer a Avaliação Estratégica do novo Aeroporto de Lisboa. Mais tarde, já depois de finalizado o concurso e adjudicado o serviço, surge um novo contrato por ajuste direto, desta vez no valor de 95 mil euros, para que a ASA acompanhasse os trabalhos.

Os contratos levantaram dúvidas e essas dúvidas tiveram eco no parlamento, ao longo das últimas semanas. A 14 de junho o presidente do IMT foi ouvido na Assembleia da República. Na altura, Eduardo Feio explicou que a empresa “já tinha colaborado com o Ministério das Infraestruturas em 2018” e que, por isso, já conhecia a realidade nacional.

Apesar disso, contactado pelo Porto Canal, o Ministério esclarece que nunca trabalhou com a Asa Aviation Consulting, mas que já conhecia sim o diretor da empresa, Alejandro Querido Tomás. Em 2018, Alejandro foi “apresentado pela empresa AERTEC como a pessoa responsável pela coordenação da verificação técnica da proposta para a ampliação do Aeroporto Humberto Delgado e construção do aeroporto do Montijo”, explica o gabinete de Pedro Nuno Santos em comunicado.

Na semana passada, o tema voltou ao Parlamento. A Iniciativa Liberal questionou o Ministro das Infraestruras sobre o processo. A resposta chegou, no entanto, do Secretário de Estado Hugo Santos Mendes que reforçou que a Asa Aviation Consulting “tem 25 anos de experiência, trabalhou em mais de 30 países, em 120 projetos”.

Apesar das explicações do IMT e do Ministério, não há evidência publica da atividade da empresa ou da experiência de Alejandro Querido Tomás, enquanto especialista, na execução de trabalhos similares noutros aeroportos.

Percebe-se também que a atividade económica da empresa é residual. A 31 de março de 2021, por exemplo, a ASA apresentava ativos no valor aproximado de 10 mil libras, o equivalente a 11 mil e 100 euros. A informação está disponível no portal “Companies house”, do governo britânico, onde é possível ver também que o objeto social da empresa não está relacionado com o setor da aviação, mas é sim para “outras atividades e serviços de apoio a empresas”.

Na mesma morada da consultora localiza-se também a Brookson One, uma empresa especializada em incorporação de empresas, serviços fiduciários e apoio à gestão e secretariado. Uma “umbrella company”, em português empresa “guarda-chuva”, atividade comum no Reino Unido.

O Porto Canal não obteve qualquer resposta da Brookson One, da ASA Aviation Consulting ou de Alejandro Querido Tomás, empresário e especialista em aviação, que na internet tem apenas uma conta na rede social Linkedin.

Também contactada pelo Porto Canal, a AERTEC, a empresa que fazia parte do consórcio de três empresas que já tinha colaborado com o Ministério das Infraestruturas em 2018, não esclareceu quem, quando e em que moldes trabalhou com Alejandro Querido Tomás.

No Parlamento, o Ministério das Infraestruturas garantiu que o ajuste direto foi legal, transparente e que apenas serviu “para não se perder mais tempo”.

Quanto ao papel que Alejandro Querido Tomás terá no processo de escolha do novo Aeroporto de Lisboa, o IMT e o Ministério das Infraestruturas não prestaram esclarecimentos adicionais.

+ notícias: Norte

Póvoa de Varzim: Autarcas recebem envelopes com bala e ameaças de morte 

O presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim, Aires Pereira, e o seu vice-presidente, Luís Batista, receberam esta terça-feira um envelope com duas balas no interior, revelou a autarquia em comunicado. Em causa está o início da demolição da desativada Praça de Touros da cidade.

The Times destaca Matosinhos, "um segredo na costa Norte de Portugal"

Vista como “o local secreto da costa do norte de Portugal”, a cidade de Matosinhos foi destacada na célebre revista “The Times”, que refere a grande indústria piscatória que a cidade acolhe e a imensa quantidade e qualidade de restaurantes que oferece.

Disponibilizados 5 ME para ações de emergência na serra da Estrela até final do ano

O ministro do Ambiente e da Ação Climática disse terça-feira que o Fundo Ambiental disponibiliza, até ao final do ano, cerca de cinco milhões de euros (ME) para ações de emergência na área ardida da serra da Estrela.