PS não quer "confrontação" com PSD relativamente ao referendo à Regionalização em 2024

PS não quer "confrontação" com PSD relativamente ao referendo à Regionalização em 2024
| Política
Porto Canal

Depois de Luís Montenegro ter assumido no final do 40º. congresso do PSD uma posição quanto há não urgência de realizar o referendo à regionalização em 2024, não houve por parte do PS uma contestação. Tal como noticia o jornal 'Observador', o partido socialista de António Costa não quer confrontar o recente PSD de Luís Montenegro.

Um dirigente do PS disse em conversações com o jornal 'Observador', relativamente à posição assumida por Montenegro sobre o referendo à regionalização, que não querem "fazer dessa uma questão de confrontação". 

Ainda assim, outro dirigente acrescentou ao jornal 'Observador' que o adiamento do referendo não é sequer um problema do PS, visto que o partido ainda se encontra focado num processo longo e difícil de negociação com os autarcas para conseguir avançar com o processo de descentralização.

Aliás, "a culpa ficará deles", disse a mesma fonte ao jornal 'Observador'. Sentimento de culpa uma vez que foi o PSD a afirmar que está contra o referendo à Regionalização em 2024.

+ notícias: Política

Marcelo Rebelo de Sousa diz que lei não permite uso de escusas de responsabilidade

O Presidente da República defendeu que, em regra, a lei não permite o uso das escusas de responsabilidade e que, em política, quando se tem razão, é muito importante saber explicar aos portugueses a razão que se tem. Estas declarações do Presidente da República surgem numa altura em que muitos médicos têm apresentado escusas de responsabilidade por considerarem que não estão reunidas as condições necessárias para desempenharem as funções cumprido as regras da boa prática médica.

Ensino superior terá aumento de 3,7% e tutela retoma fórmula de financiamento

O ensino superior deverá contar com um aumento de 44 milhões de euros no Orçamento do Estado para 2023, mais 3,7% face a 2022, anunciou esta quarta-feira a tutela, adiantando também que vai voltar a aplicar a fórmula de financiamento.

Marcelo promulga decreto de execução orçamental

Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República, promulgou o documento do Governo que estabelece as regras de execução do Orçamento do Estado para 2022, avança a RTP.