Regulador europeu aprova uso da vacina da Pfizer em crianças dos 5 aos 11 anos

| País
Porto Canal com Lusa

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) aprovou hoje a administração da vacina contra a covid-19 da BioNTech/Pfizer, a crianças dos 5 aos 11 anos, sendo a primeira na União Europeia (UE) para esta faixa etária.

“O Comité dos Medicamentos para Uso Humano da EMA recomendou a concessão de uma extensão de indicação para a vacina Comirnaty [nome comercial da vacina do consórcio farmacêutico BioNTech/Pfizer] para incluir a utilização em crianças dos 5 aos 11 anos de idade”, informa o regulador europeu em comunicado. A vacina já era utilizada a partir dos 12 anos.

A EMA explica que, para as crianças dos 5 aos 11 anos de idade, a dose de Comirnaty “será inferior à utilizada em pessoas com 12 ou mais anos”, mas “tal como no grupo etário mais velho, é administrada como duas injeções nos músculos do antebraço, com três semanas de intervalo”.

Esta é a primeira vacina aprovada na UE para crianças desta faixa etária, numa altura em que se verificam aumentos de casos nestas idades e quando os Estados Unidos já a administram.

Atualmente, a vacina Comirnaty está autorizada a partir dos 12 anos, após ter sido pela primeira vez aprovada em dezembro de 2020 para adultos na UE.

+ notícias: País

Governo anuncia novo investimento no SIRESP para assegurar comunicações satélite

O SIRESP vai ter um novo investimento de 4,2 milhões de euros em equipamentos de redundância para assegurar as comunicações via satélite em caso de falha dos circuitos terrestres, anunciou hoje o Ministério da Administração Interna.

Autarca da Guarda diz que fogo em Aldeia Viçosa está "descontrolado"

O incêndio que deflagrou em Mizarela, pelas 15:36, está "descontrolado, tendo em conta os ventos fortes e a localização na encosta", admitiu à agência Lusa o presidente da Câmara Municipal da Guarda.

Costa recupera gasoduto chumbado em 2018. Novo traçado no Alto Douro Vinhateiro é incógnita

O pedido foi feito pelo Chanceler alemão e Portugal apressou-se a responder. A Europa quer reduzir, ainda mais, a dependência do gás da Rússia e para isso precisa de um novo gasoduto. António Costa garante que “o percurso já está definido” e que os trabalhos estão “muito avançados”. Mas, a verdade é que o projeto existente para a ligação entre Celorico da Beira, na Guarda e Vilar de Frades, em Bragança, foi rejeitado, em 2018, na Avaliação de Impacte Ambiental da Agência Portuguesa do Ambiente.