GNR detém mulher que roubou homem em Seia com recurso a uma seringa

| País
Porto Canal com Lusa

Seia, Guarda, 25 jan 2021 (Lusa) - A GNR deteve uma mulher de 46 anos, em flagrante delito, por alegadamente ter roubado dinheiro a um homem, com 76 anos, sob ameaça de uma seringa, no concelho de Seia, distrito da Guarda, foi hoje anunciado.

Segundo o Comando Territorial da GNR da Guarda, a mulher foi detida no sábado, através do Posto Territorial de Seia, e foi hoje presente ao Tribunal Judicial daquela cidade para primeiro interrogatório e aplicação de eventuais medidas de coação.

"No decorrer de uma denúncia, os militares da Guarda deslocaram-se de imediato para o local, onde foi possível apurar que a suspeita ameaçou a vítima, um homem de 76 anos, no interior da sua viatura, com uma seringa, alegando estar contaminada com Sida (Síndrome de Imunodeficiência Adquirida)", relata a GNR em comunicado enviado à agência Lusa.

A fonte refere que, "após ter retirado dinheiro à vítima, a suspeita colocou-se em fuga, tendo sido intercetada e detida pelos militares da Guarda".

No momento da detenção, a GNR apreendeu uma faca e uma seringa que estavam na posse da mulher.

A detida, com antecedentes criminais por ilícitos da mesma natureza, foi presente ao Tribunal Judicial de Seia, ficando sujeita a termo de identidade e residência.

 

ASR // SSS

Lusa/Fim

+ notícias: País

Fisco vai avaliar e atualizar matrizes das barragens para cobrar IMI

A Autoridade Tributária e Aduaneira vai fazer uma avaliação e atualização das matrizes das barragens e avançar com a cobrança do IMI desta tipologia de bens, segundo determina um despacho do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Nuno Félix.

Período de transição entre contratos do SIRESP vai custar ao Estado 7,4 milhões de euros

O período de transição vai custar, ao Estado, 1,2 milhões de euros por mês. De acordo com o Jornal de Notícias, o processo só deverá estar concluído no final de junho.

Primeiro prazo para reforço do poder das regiões já falhou

O prazo para o reforço do poder das regiões, no âmbito da transferência de competências das direcções regionais para as CCDR, seria o fim de janeiro. No entanto, de acordo com o jornal Público, o diploma ainda não está concluído.