Info

Covid-19: Coreia do Sul pretende alcançar "imunidade de grupo" em novembro

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Seul, 25 jan 2021 (Lusa) - A Coreia do Sul pretende alcançar a chamada "imunidade de grupo" contra a covid-19 em novembro, após ter vacinado 70% da sua população até ao terceiro trimestre, de acordo com um plano de ação apresentado hoje pelas autoridades.

O programa divulgado pela Agência de Controlo e Prevenção de Doenças Infecciosas (KDCA) prevê que, antes do final do primeiro trimestre, os profissionais de saúde (de alto risco devido ao seu maior potencial de exposição ao vírus) e os que trabalham em lares de idosos já terão recebido a vacina.

A previsão é de que as primeiras vacinas cheguem ao país em fevereiro e a vacinação comece imediatamente, de acordo com o documento, explicando que no segundo trimestre as vacinas serão aplicadas a todos os maiores de 65 anos e ao restante dos trabalhadores do setor da saúde.

Depois, no terceiro trimestre, será a vez dos portadores de doenças crónicas e das pessoas entre 19 e 64 anos.

Este plano de ação, coordenado pelo KDCA e pelos Ministérios da Saúde e Segurança Alimentar e Farmacologia, inclui os primeiros dados do plano de vacinação, cujos detalhes completos serão apresentados no dia 28 de janeiro e com o qual está prevista a inoculação gratuita ao 51 milhões de habitantes do país.

Por meio do programa Covax (Fundo de acesso para vacinas contra a covid-19) e de contratos com quatro empresas farmacêuticas (AstraZeneca, Pfizer, Johnson & Johnson e Moderna), o Governo sul-coreano afirma ter vacinas suficientes para os 56 milhões de habitantes este ano.

O plano apresentado hoje também inclui disposições para fortalecer o combate ao vírus, como o aumento da capacidade de testes que, até meados de fevereiro, permitirá à Coreia do Sul realizar até 240 mil testes de diagnóstico por dia.

O número de funcionários encarregados da investigação epidemiológica para rastreamento de contactos passará de 325 para 385, segundo o documento.

A Coreia do Sul, que nunca recorreu a confinamentos ou encerramentos de fronteiras, é um dos países que melhor lidou com a pandemia.

O país, que atualmente regista entre 300 e 400 infeções diárias e tem uma incidência cumulativa em 14 dias de 11,7 casos por 100.000 habitantes, tem no total pouco mais de 69.000 infeções locais e 1.360 mortes desde o início da pandemia.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.129.368 mortos resultantes de mais de 99,1 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

CSR // FPA

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Cientistas descobrem anticorpos que podem neutralizar as variantes da Covid-19

Uma equipa internacional de cientistas descobriu anticorpos que podem neutralizar as variantes da Covid-19, incluindo esta última variante Ómicron, um estudo que foi desenvolvido por cientistas da Escola de Medicina da Universidade de Washington, nos EUA

Uganda reclama lugar permanente de África no Conselho de Segurança da ONU

Kampala, 20 jan 2022 (Lusa) - O Presidente do Uganda, Yoweri Museveni, reclamou hoje reformas no Conselho de Segurança das Nações Unidas que deem ao continente africano representação permanente naquele órgão, mudanças que poderiam impedir "a agressão contra a África".

Ucrânia: Biden sublinha que qualquer incursão de tropas russas será considerada "invasão"

Washington, 20 jan 2022 (Lusa) -- O Presidente norte-americano, Joe Biden, sublinhou hoje que qualquer entrada de tropas russas em território ucraniano será considerada "uma invasão", após ter suscitado indignação de Kiev ao referir-se quarta-feira a uma "incursão reduzida" russa na Ucrânia.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS