Covid-19: Coreia do Sul pretende alcançar "imunidade de grupo" em novembro

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Seul, 25 jan 2021 (Lusa) - A Coreia do Sul pretende alcançar a chamada "imunidade de grupo" contra a covid-19 em novembro, após ter vacinado 70% da sua população até ao terceiro trimestre, de acordo com um plano de ação apresentado hoje pelas autoridades.

O programa divulgado pela Agência de Controlo e Prevenção de Doenças Infecciosas (KDCA) prevê que, antes do final do primeiro trimestre, os profissionais de saúde (de alto risco devido ao seu maior potencial de exposição ao vírus) e os que trabalham em lares de idosos já terão recebido a vacina.

A previsão é de que as primeiras vacinas cheguem ao país em fevereiro e a vacinação comece imediatamente, de acordo com o documento, explicando que no segundo trimestre as vacinas serão aplicadas a todos os maiores de 65 anos e ao restante dos trabalhadores do setor da saúde.

Depois, no terceiro trimestre, será a vez dos portadores de doenças crónicas e das pessoas entre 19 e 64 anos.

Este plano de ação, coordenado pelo KDCA e pelos Ministérios da Saúde e Segurança Alimentar e Farmacologia, inclui os primeiros dados do plano de vacinação, cujos detalhes completos serão apresentados no dia 28 de janeiro e com o qual está prevista a inoculação gratuita ao 51 milhões de habitantes do país.

Por meio do programa Covax (Fundo de acesso para vacinas contra a covid-19) e de contratos com quatro empresas farmacêuticas (AstraZeneca, Pfizer, Johnson & Johnson e Moderna), o Governo sul-coreano afirma ter vacinas suficientes para os 56 milhões de habitantes este ano.

O plano apresentado hoje também inclui disposições para fortalecer o combate ao vírus, como o aumento da capacidade de testes que, até meados de fevereiro, permitirá à Coreia do Sul realizar até 240 mil testes de diagnóstico por dia.

O número de funcionários encarregados da investigação epidemiológica para rastreamento de contactos passará de 325 para 385, segundo o documento.

A Coreia do Sul, que nunca recorreu a confinamentos ou encerramentos de fronteiras, é um dos países que melhor lidou com a pandemia.

O país, que atualmente regista entre 300 e 400 infeções diárias e tem uma incidência cumulativa em 14 dias de 11,7 casos por 100.000 habitantes, tem no total pouco mais de 69.000 infeções locais e 1.360 mortes desde o início da pandemia.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.129.368 mortos resultantes de mais de 99,1 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

CSR // FPA

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Covid-19: Nova geração de vacina, direcionada à variante Omicron, aprovada no Reino Unido

Uma nova geração da vacina da farmacêutica Moderna contra a covid-19, visando a variante Ómicron do coronavírus SARS-CoV-2 foi aprovada no Reino Unido, anunciou hoje a entidade reguladora britânica para os medicamentos.

Johnson & Johnson suspende venda de pó de talco para bebés em todo o mundo em 2023

A Johnson & Johnson vai suspender em 2023 a venda do pó de talco para bebés em todo o mundo, após milhares de reclamações sobre a segurança do produto, suspenso já há dois anos nos Estados Unidos e Canadá.

Morreu o cartoonista francês Jean-Jacques Sempé, autor de "O Menino Nicolau"

O cartoonista francês Jean-Jacques Sempé, conhecido pelas suas ilustrações em "O Menino Nicolau" e pelos seus desenhos humorísticos nos jornais, morreu hoje aos 89 anos, confirmou a sua mulher, Martine Gossieaux Sempé, à agência de notícias AFP.