Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Covid-19: Multas até 10 mil libras no Reino Unido para quem desrespeitar regras

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Londres, 20 set 2020 (Lusa) -- Os britânicos que não respeitarem o auto-confinamento em caso de infeção pelo novo coronavírus estão sujeitos a uma multa que pode chegar às 10 mil libras (onze mil euros), anunciou no sábado o Governo do Reino Unido.

O primeiro-ministro, Boris Johnson, que afirmou esta semana que o Reino Unido enfrenta a segunda vaga de covid-19, apresentou no sábado novas restrições para os habitantes das regiões do norte, noroeste e centro de Inglaterra, zonas particularmente afetadas pela doença.

Entre estas medidas, o Governo decretou uma obrigação legal de auto-confinamento, a partir de 28 de setembro, para pessoas que tenham testado positivo para o novo coronavírus ou a quem o Serviço Nacional de Saúde (NHS, sigla em inglês) ordenar que o faça.

"A melhor maneira de combater o vírus é que cada um siga as regras e que as pessoas em risco de transmitir a doença se isolem", defende Boris Johnson, num comunicado divulgado no sábado e citado pela Agência France Presse.

"Ninguém deve subestimar a importância destas medidas, estas novas regras significam que vocês têm a obrigação legal de as aplicar, quer estejam infetados ou o NHS vos mande", acrescentou.

O Reino Unido pede às pessoas que testem positivo que se isolem por dez dias, enquanto os que vivem com alguém que tenha testado positivo ou apresente sintomas devem auto-confinar-se durante 14 dias.

Caso as regras não sejam respeitadas, as multas vão das mil libras (1.090 euros) às dez mil libras (11 mil euros).

Para encorajar o cumprimento das regras, as pessoas com rendimentos baixos poderão receber uma ajuda de 500 libras (545 euros), caso não tenham a possibilidade de recorrerem ao teletrabalho no período de quarentena.

"Vemos uma repetição em França, em Espanha, em toda a Europa. É absolutamente inevitável, creio, que acabemos a ver isso neste país", escreveu Boris M. Johnson.

Embora novas restrições tenham sido decididas esta semana, o primeiro-ministro britânico mostrou relutância em impor um novo confinamento total no país.

No sábado, manifestantes anti-vacina e anti-confinamento envolveram-se em confrontos com a polícia, em Trafalgar Square, no centro de Londres, tendo 32 pessoas sido detidas.

Com mais de 4.400 novos casos registados no sábado, o Reino Unido conta agora 390.358 infeções pelo novo coronavírus e subiu para 41.759 mortes, num dia em que 27 pessoas morreram num espaço de 28 dias depois de terem testado positivo para a covid-19.

De acordo com os dados avançados na sexta-feira, a Direção-Geral de Saúde de Inglaterra estima que o índice de transmissibilidade efetivo (Rt) se encontre entre 1,1 e 1,4, acima do nível máximo de 1 considerado seguro.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 953.025 mortos e mais de 30,5 milhões de casos de infeção em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

JRS (ILYD) // JH

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

Militar cercado em Azovstal partilha fotografias do interior dos abrigos. Veja as imagens aqui

Um militar ucraniano do regimento Azov colocou à disposição do público uma seleção de fotografias tiradas no interior da fábrica de aço Azovstal, último reduto da resistência ucraniana na cidade portuária de Mariupol.

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Festivais - Soam as guitarras