Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Covid-19: Oposição venezuelana diz que mortes "são mais do dobro" que as oficiais

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Caracas, 20 set 2020 (Lusa) -- A oposição venezuelana disse hoje que o número oficial de pessoas infetadas pelo novo coronavírus é inferior à realidade e que as mortes associadas são covid-19 no país "são mais do dobro" do que tem sido oficialmente registado.

"O regime anuncia (em média) 800 casos diários de novos pacientes com a covid-19, porque é a capacidade máxima que tem para realizar provas, mas os modelos matemáticos apontam que a Venezuela deve estar entre os 3.000 e os 4.000 casos diários de novos contágios pelo [novo] coronavírus", disse o deputado que representa a oposição para os temas de "emergência em saúde e atenção sanitária a migrantes".

José Manuel Olivares, que também é médico, explicou aos jornalistas que "há patamares" sobre as mortes oficialmente anunciadas "que não correspondem ao comportamento do vírus no mundo".

"Passam entre sete e oito dias anunciando o mesmo número de mortos", disse.

Na Venezuela estão oficialmente confirmados 65.174 casos da covid-19 e 530 mortes associadas ao novo coronavírus. Por outro lado, 54.218 pessoas recuperaram da doença.

No entanto, segundo a oposição venezuelana até 18 de setembro "tinham falecido 1.136 pessoas com a covid-19, mais do dobro do que anuncia o regime" e "174 das vítimas correspondem a profissionais da área da saúde".

Segundo José Manuel Olivares, "a Venezuela continua a ser o país que realiza menos testes do tipo PCR em comparação com o resto do continente", lamentando que "o tempo de entrega dos resultados dos testes oscila entre 15 e 20 dias, o que impede ter um diagnóstico real".

Os últimos dados divulgados pelo novo ministro de Comunicação e Informação da Venezuela, Freddy Náñez, nas últimas 24 horas a Venezuela registou 890 novos casos de coronavírus, 724 deles por transmissão comunitária e 166 importados da vizinha Colômbia.

O ministro precisou à televisão estatal venezuelana que dos 724 casos de transmissão comunitária, 303 pacientes são do sexo feminino e 412 do sexo masculino. Entre os novos infetados encontram-se 40 cidadãos com menos de 18 anos.

Segundo Freddy Náñez, a Venezuela realizou "1.897.741 provas de despistagem da covid-19, uma média de 63.258 testes por cada milhão de habitantes, o que coloca a Venezuela como uma nação que aumentou o uso desta ferramenta para detetar o vírus atempadamente e atender adequadamente os pacientes no sistema público de saúde".

A Venezuela está desde 13 de março em estado de alerta, o que permite ao executivo decretar "decisões drásticas" para combater a pandemia.

Os voos nacionais e internacionais estão restringidos até 12 de outubro e a população está impedida de circular entre os diferentes municípios do país.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 953.025 mortos e mais de 30,5 milhões de casos de infeção em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.899 pessoas dos 68.025 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

FPG // JH

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Militar cercado em Azovstal partilha fotografias do interior dos abrigos. Veja as imagens aqui

Um militar ucraniano do regimento Azov colocou à disposição do público uma seleção de fotografias tiradas no interior da fábrica de aço Azovstal, último reduto da resistência ucraniana na cidade portuária de Mariupol.

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.