Covid-19: Estados Unidos com 778 mortos e 41.661 casos nas últimas 24 horas

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Washington, 20 set 2020 (Lusa) - Os Estados Unidos registaram 778 mortes causadas pela covid-19 e 41.661 infetados nas últimas 24 horas, indicou no sábado a Universidade Johns Hopkins.

Desde o início da pandemia, o país contabilizou 199.255 óbitos e 6.764.198 casos de covid-19, de acordo com a contagem independente da universidade norte-americana.

Embora Nova Iorque já não seja o estado com o maior número de infeções, continua a ser aquele que contabiliza mais óbitos (33.081), um número superior ao de países como França ou Espanha.

Os Estados Unidos são o país com mais mortos e também com mais casos de infeção confirmados.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 953.025 mortos e mais de 30,5 milhões de casos de infeção em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

EJ // EJ

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

França rejeita a construção de gasoduto que liga Península Ibérica ao resto da Europa

França está contra as intenções mostradas pela Alemanha, Espanha, Portugal e a Comissão Europeia sobre a construção de um novo gasoduto com a Península Ibérica e mantém as suas fortes reticências à ideia de reavivar o projeto MidCat pelos Pireneus catalães, que se abandonou em 2019.

Depois da vaga de calor, chuvas torrenciais inundam ruas de Paris 

Após semanas de calor, a chuva caiu com grande intensidade em Paris durante 90 minutos. De acordo com os serviços meteorológicos, em hora e meia registou-se "70% da precipitação habitual para um mês". Várias ruas, avenidas e estações de metro ficaram inundadas e a circulação rodoviária foi interrompida em vários pontos da capital gaulesa. 

Guterres aponta estabilização de preços de alimentos e pede desmilitarização de Zaporijia

O secretário-geral das Nações Unidas (ONU), António Guterres, identificou esta quinta-feira sinais de estabilização dos mercados globais de alimentos e pediu, após uma reunião com os presidentes ucraniano e turco, a desmilitarização da central nuclear de Zaporijia, sob ocupação russa.