Primeiros trabalhadores começaram hoje a rescindir contratos

Primeiros trabalhadores começaram hoje a rescindir contratos
| Norte
Porto Canal

Os primeiros trabalhadores dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC) que aceitaram sair da empresa, por mútuo acordo, começaram hoje a rescindir os respetivos contratos, disse à agência Lusa fonte da administração da empresa pública.

Estes trabalhadores integram uma lista de mais de 80 funcionários que já tinham confirmado a intenção de aderir ao plano de rescisões amigáveis anunciado pela administração da empresa, disse a mesma fonte.

Estas primeiras rescisões avançaram hoje, depois de garantido o empréstimo bancário que permitirá aos estaleiros pagar os 30,1 milhões de euros estimados para o total das indemnizações.

"Os trabalhadores que comunicaram a intenção de rescindir o contrato estão a ser contactados para formalizar os acordos, o que continuará a ser feito nos próximos dias", indicou a mesma fonte, sem precisar quantos trabalhadores formalizaram já o entendimento para deixar a empresa.

Até 13 de dezembro, cerca de 80 trabalhadores tinham comunicado a aceitação do acordo para a rescisão dos contratos, envolvendo indemnizações globais de 6,2 milhões de euros, indicou na altura à Lusa fonte da administração.

As indemnizações individuais a pagar aos 609 trabalhadores dos ENVC variam entre os 6.000 e os 200 mil euros. Contudo, a comissão de trabalhadores tem vindo a apelar à não-aceitação de qualquer acordo.

Segundo a administração, os acordos que hoje começaram a ser assinados estavam prontos a avançar. No entanto, a autorização para a Empordef contrair um empréstimo bancário para financiar este plano só foi aprovado, em Conselho de Ministros, a 05 de dezembro, pelo que se aguardava a libertação das verbas necessárias.

Em declarações recentes à agência Lusa, o presidente da Empresa Portuguesa de Defesa (Empordef) afirmou querer evitar a "todo o custo" o despedimento coletivo nos ENVC, optando pela negociação de acordos amigáveis.

"Não diria que é uma decisão adquirida que tem que haver despedimento coletivo. Diria até que, a todo o custo, deve-se evitar essa solução e deve-se sempre criar, por diálogo, por negociação, por acordo, soluções construtivas que sejam no interesse das pessoas, do Estado e do futuro da atividade económica existente", afirmou Rui Vicente Ferreira.

O administrador da Empordef - holding que detém a totalidade do capital social dos estaleiros -, admitia na altura que "há condições, num curto espaço de tempo, para completar o processo" de subconcessão, concurso internacional que o grupo português Martifer venceu.

Fonte do Ministério da Defesa Nacional admitiu hoje à Lusa como provável a assinatura do contrato de subconcessão com o grupo Martifer "no início de janeiro".

O grupo Martifer anunciou em novembro que vai assumir a subconcessão dos terrenos, infraestruturas e equipamentos dos ENVC, pagando ao Estado uma renda anual de 415 mil euros, até 2031.

A nova empresa West Sea deverá recrutar 400 dos atuais 609 trabalhadores, que estão a ser convidados a aderir a este plano de rescisões amigáveis, que prevê o acesso ao subsídio de desemprego e a reforma para 230 funcionários.

+ notícias: Norte

Sequestro de taxista em Matosinhos confessado por suspeito

Um homem de 27 anos confessou no Tribunal de Aveiro ter sequestrado, com mais três indivíduos não identificados, um taxista em Matosinhos, tendo percorrido 440 quilómetros com a vítima no carro, durante quase sete horas.

Previstos condicionamentos em Penafiel devido à construção do IC35

A Câmara de Penafiel anunciou que a partir de segunda-feira haverá condicionamentos na circulação rodoviária na zona onde foram iniciadas as obras do IC 35, entre a sede do concelho e a localidade de Rans.

Jovem de 18 anos detido em Vizela pela posse de 16 armas brancas

A GNR de Braga deteve, na passada terça-feira, um homem de 18 anos por posse de armas proibidas no concelho de Vizela, e apreendeu 16 armas brancas.