Bruxelas duvida da consistência do crescimento do PIB e do emprego português

Bruxelas duvida da consistência do crescimento do PIB e do emprego português
| Economia
Porto Canal

A Comissão Europeia (CE) duvida da consistência do crescimento económico no segundo trimestre e da durabilidade do aumento do emprego, mantendo no entanto as previsões do Governo e da 'troika' de que a economia crescerá 0,8% no próximo ano.

Nas previsões de outono publicadas hoje pela Comissão Europeia, é mantido o cenário macroeconómico acordado entre o Governo português e a 'troika' na realização das últimas avaliações, que tiveram a sua conclusão anunciada há cerca de um mês e meio.

Assim, espera-se em Bruxelas que a economia portuguesa feche este ano com uma recessão na ordem dos 1,8% do PIB, mas que regresse ao crescimento já no próximo ano com um crescimento do PIB de 0,8%, seguida de novo crescimento em 2015 na ordem dos 1,5% do PIB.

A CE faz referência a Portugal como um país que já saiu da recessão técnica no segundo trimestre do ano, e diz que os mais recentes indicadores suportam a ideia de que a atividade económica vai dar a volta e começar a crescer de forma mais consistente no final deste ano, no entanto adverte que o crescimento melhor que o esperado do PIB registado no segundo trimestre terá sido causado por fatores não repetíveis.

A Comissão Europeia duvida também da consistência dos melhoramentos no mercado de trabalho.

Segundo as previsões de Bruxelas, o mercado de trabalho estabilizou em linha com as melhorias observadas na atividade económica, mas para a queda estimada da taxa de desemprego os setores que mais contribuíram foram o turismo e a agricultura.

Por essa razão, diz Bruxelas, esta melhoria ao nível do mercado de trabalho "levanta questões de durabilidade".

Nas previsões, Bruxelas mantém que espera que a taxa de desemprego atinja os 17,4% este ano, que suba para o seu máximo histórico de 17,7% no próximo ano, mas desça em 2015 para os 17,3%.

+ notícias: Economia

Juro médio dos novos créditos à habitação registam maior subida mensal desde 2003

A taxa de juro média dos novos empréstimos à habitação aumentou para 2,86% em outubro, contra 2,23% em setembro, o valor mais alto desde janeiro de 2015 e a maior subida mensal em 19 anos, divulgou hoje o BdP.

Limite de 60 dólares por barril de petróleo russo. Proposta aprovada pela UE

Os países da União Europeia (UE) concordaram com um limite de preço de 60 dólares por barril para o petróleo russo, no âmbito das sanções para evitar picos de preços de combustíveis e para prejudicar os interesses de Moscovo.

Queda dos preços dos combustíveis levam a redução do desconto no ISP em dezembro

O Ministério das Finanças anunciou esta sexta-feira que em dezembro há uma redução do desconto do ISP em 3,9 cêntimos por litro de gasóleo e em 2,4 cêntimos por litro de gasolina, tendo em conta a queda dos preços.