Info

Assunção Cristas pede “fortíssimo cartão vermelho” ao Governo PS

| Política
Porto Canal com Lusa

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, pediu este domingo aos portugueses que mostrem um “grande, grande sinal de desagrado, um fortíssimo cartão vermelho” ao Governo do PS nas europeias do próximo domingo.

Atualizado 20-05-2019 11:22

A uma semana das eleições, Cristas fez um apelo à mobilização do partido e dos eleitores na “maior batalha”, de “explicar às pessoas” por que é importante votar, seja “pela Europa seja por Portugal”, num almoço com cerca de 200 militantes em Marco de Canaveses, distrito do Porto.

“Temos que mostrar um grande, grande sinal de desagrado, um fortíssimo cartão vermelho”, disse a líder centrista, depois de deixar mais um apelo aos militantes: “Levem a votar os vossos amigos, os vossos familiares.”

Para Assunção Cristas, o primeiro-ministro e líder do PS, António Costa, “não merece estar no Governo, não merece porque engana” os portugueses.

A líder dos centristas fez, no seu discurso, uma ligação entre as eleições europeias do próximo domingo e as legislativas de 06 de outubro, e afirmou que o CDS quer, "além de uma voz forte em Bruxelas", uma "voz fortíssima em Portugal".

"Queremos dizer a António Costa que basta desta pouca vergonha de enganar as pessoas, basta de ter os impostos máximos e os serviços mínimos", gritou Assunção.

Antes e depois, deu vários exemplos dos que considerou serem falhanços do Governo de Costa, a começar pelas baixas execução dos fundos comunitários, na agricultura, por exemplo.

"Quanto Portugal mais precisa, o Governo mais desperdiça os fundos, que não são do Mário Centeno, não são para ficar na gaveta do Mário Centeno. São de todos os portugueses", disse.

Falhou ainda, argumentou, no objetivo de existir, até ao final da legislatura, os todos os portugueses terem médico de família, dado que há 750 mil portugueses que não o têm.

A Nuno Melo coube fazer o discurso mais europeu da tarde, embora não tenha esquecido nem António Costa, que considera o “verdadeiro” cabeça de lista do PS nas europeias, nem o “candidato formal”, Pedro Marques, depois de ver um cartaz de ambos à entrada de Marco de Canaveses com o ‘slogan’ “voto responsável”.

O candidato do CDS discorda e cita argumentos, desde os cinco candidatos do PS que foram governantes com José Sócrates, “responsável pela bancarrota do país” e da “entrada da ‘troika’” em Portugal ou ainda a baixa execução de fundos europeus.

Votar no PS é “votar em que trouxe o pior e o mais traumático tempo dos últimos anos”, “não é voto responsável”, concluiu.

E utilizou as estatísticas europeias para dizer que, desde 2016, Portugal “não converge com a média da União Europeia” e “já é o terceiro mais mais pobre” da UE.

+ notícias: Política

Assembleia Municipal do Porto unânime na reabilitação do Cinema Batalha e da Alexandre Herculano

A Assembleia Municipal do Porto aprovou a autorização prévia para as despesas com a empreitada de reabilitação do Cinema Batalha, no valor de 3,95 milhões de euros, e com a requalificação da Escola Alexandre Herculano, em 9,8 milhões.

Governo garante "apoio político" para que hospital de Braga seja hospital académico

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior garantiu esta segunda-feira que a pretensão da Universidade do Minho de que o hospital de Braga tenha o estatuto de hospital universitário "terá todo o apoio político".

Atualizado 17-09-2019 12:03

Autarca de Vila do Conde ausente de cerimónia com Ministra do Mar como forma de protesto

A Câmara de Vila do Conde anunciou esta segunda-feira que a presidente da autarquia não estará presente na assinatura da consignação da obra de dragagem da barra do Rio Ave, como protesto pela cerimónia não se realizar no concelho.

Atualizado 17-09-2019 11:45

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

UNITE with Tomorrowland no Porto