Info

Chamas dominadas uma semana depois em Monchique

Chamas dominadas uma semana depois em Monchique
| País
Porto Canal com Lusa

O incêndio que lavra há uma semana em Monchique (Algarve) está dominado desde as 08:30, segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

O fogo, que está ainda a ser combatido por 1.371 operacionais, apoiados por 442 viaturas e dois meios aéreos, já destruiu cerca de 27.000 hectares, segundo os dados mais recentes disponibilizados pelo Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais (EFFIS), tornando-o no maior este ano em Portugal.

Este ano, o maior incêndio, em termos de área ardida, que se tinha verificado em Portugal era o que deflagrou em fevereiro na Guarda, onde arderam 86 hectares.

Segundo os dados do EFFIS, as chamas em Monchique já destruíram 26.957 hectares, mais de metade dos 41 mil que arderam na mesma região em 2003, nos concelhos de Monchique, Portimão, Aljezur e Lagos.

As chamas desde incêndio, que deflagrou na localidade de Perna Negra, já provocaram 39 feridos, um deles em estado grave, obrigaram a evacuar diversos aglomerados populacionais e uma unidade hoteleira.

No ano passado, as chamas destruíram mais de 440 mil hectares, o pior ano de sempre em Portugal, segundo dados do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

Quanto aos maiores incêndios em termos de área ardida ocorridos no ano passado, no topo da lista aparece o que teve origem no dia 15 de outubro, em Seia/Sandomil, no distrito da Guarda, que destruiu 43.191 hectares.

+ notícias: País

Associação da GNR diz que agressões a militares em serviço estão a aumentar

A Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) lamentou este sábado que o Governo "ainda não tenha considerado" os polícias como uma profissão de risco, sublinhando que cada vez mais os militares da GNR são agredidos em serviço.

Incêndio em Oiã, Aveiro, provoca quatro feridos

Um incêndio numa fábrica de bicicletas na freguesia de Oiã, Oliveira do Bairro, distrito de Aveiro, causou este sábado quatro feridos, entre eles um bombeiro, disse à agência Lusa fonte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM).

Falta de pagamento do Estado aos hospitais privados põe em causa cirurgias

Os hospitais privados ameaçam parar de fazer cirurgias aos doentes enviados pelo Serviço Nacional de Saúde caso o Estado continue a demorar tanto tempo a pagar. Já há médicos a recusar-se a operar uma vez que depois têm de esperar mais de dois anos para receber.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

1ª Bienal de Fotografia do Porto:...