Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Governo prevê atribuir quase 13ME a empresas de transporte e administrações portuárias

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 11 out (Lusa) -- O Governo prevê atribuir em 2018 quase 13 milhões de euros a seis empresas públicas de transporte rodoferroviário e a duas administrações portuárias, segundo uma proposta preliminar do Orçamento do Estado (OE2018).

A proposta preliminar do OE2018 datada de 10 de outubro, que poderá ainda sofrer alterações, e a que a agência Lusa teve hoje acesso, contempla a atribuição de 1,8 milhões de euros à CP -- Comboios de Portugal [o mesmo valor entregue em 2017] para "financiamento de material circulante e bilhética", provenientes do Ministério do Planeamento e Infraestruturas.

O Metropolitano de Lisboa e o Metro do Porto devem receber do Ministério do Ambiente, individualmente, 1,3 milhões de euros [menos 400.000 euros cada um face ao valor atribuído este ano], com vista ao "financiamento para infraestruturas de longa duração".

A proposta prevê que a STCP - Sociedade de Transportes Coletivos do Porto receba 1,2 milhões de euros [menos 255.000 euros do que em 2017] enquanto a Carris (que opera na Grande Lisboa), vai receber 855.000 euros, o mesmo valor atribuído pelo Governo para este ano.

O dinheiro sairá do Ministério do Ambiente com vista ao "financiamento para infraestruturas de longa duração" em ambas as empresas.

A 01 de fevereiro deste ano, a gestão da Carris passou para as mãos da Câmara Municipal de Lisboa, mas a sua dívida histórica -- de cerca de 700 milhões de euros - irá manter-se na esfera do Estado.

Também a gestão da STCP foi transferida no início do ano para os seis municípios onde a empresa opera: Porto, Vila Nova de Gaia, Matosinhos, Maia, Gondomar e Valongo.

Em relação ao Metro do Mondego, o Ministério do Planeamento e Infraestruturas estipula atribuir uma verba até dois milhões de euros [o mesmo valor atribuído em 2017] para "financiamento do sistema de Mobilidade do Mondego".

Já o Ministério da Agricultura Florestas e Desenvolvimento Rural (que tutela as pescas) e Ministério do Mar preveem atribuir quatro milhões de euros à administração dos Portos de Douro, Leixões e Viana do Castelo [o mesmo valor que em 2017], para "financiamento de infraestruturas portuárias e reordenamento portuário".

Estes dois ministérios vão também atribuir 500.000 euros [igual a 2017] à administração do porto da Figueira da Foz também para "financiamento de infraestruturas portuárias e reordenamento portuário".

Contas feitas, segundo a proposta preliminar do OE2018, o Governo estima atribuir às seis empresas ligadas ao setor dos transportes e às administrações portuárias perto de 13 milhões de euros, face aos cerca de 14 milhões entregues em 2017.

JGS // MCL

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Fernando Negrão foi declarado eleito líder parlamentar do PSD com 39,7% dos votos

O deputado Fernando Negrão conseguiu hoje apenas 39,7% dos votos para a liderança parlamentar do PSD, correspondente a 35 votos favoráveis, 32 brancos e 21 nulos, tendo votado 88 dos 89 parlamentares sociais-democratas.

Bruxelas propõe alteração ao orçamento UE para mobilizar rapidamente ajuda dos incêndios

A Comissão Europeia propôs hoje emendas ao orçamento comunitário para garantir uma rápida mobilização dos apoios financeiros do Fundo de Solidariedade anunciados na semana passada, incluindo 49,1 milhões de euros para Portugal, na sequência dos incêndios de 2017.

Amnistia Internacional condena caso do juíz Neto de Moura

A Amnistia Internacional condena o caso relacionado com o problema da violência doméstica e da própria abordagem da justiça a este fenómeno. Aliás, o documento cita o exemplo do polémico acórdão de um juiz do porto sobre agressões cometidas a mulher chamada de adúltera.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS