Jornal Diário Jornal das 13 Último Jornal

Governo deverá duplicar valor de dívidas fiscais até ao qual não é preciso garantia

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 11 out (Lusa) - O Governo deverá duplicar o valor das dívidas em execução fiscal até ao qual os contribuintes ficam dispensados de prestar garantia, para os 5.000 no caso das pessoas singulares e para os 10.000 euros para as coletivas.

Na proposta preliminar do OE2018 datada de 10 de outubro, que poderá ainda sofrer alterações e a que a Lusa teve hoje acesso, é incluída uma alteração ao Código de Procedimento e de Processo Tributário (CPPT) para permitir que seja "dispensada a prestação de garantia para dívidas em execução fiscal, de valor inferior a 5.000 euros para pessoas singulares ou 10.000 euros para pessoas coletivas".

Atualmente, estão dispensados da prestação de garantia os contribuintes com dívidas fiscais legalmente não suspensas "de valor inferior a 2.500 euros para pessoas singulares ou 5.000 euros para pessoas coletivas".

A proposta de OE2018 será entregue na Assembleia da República na sexta-feira, dia 13 de outubro, dois dias antes do prazo limite, que este ano coincide com um domingo.

ND // ATR

Lusa/fim

+ notícias: Política

CDU/Porto defende "medidas de emergência" para realojar famílias despejadas

A CDU/Porto defendeu este domingo a criação de “medidas de emergência” para realojar moradores despejados, desafiando o presidente da Câmara, Rui Moreira, a ser agora tão proativo como já foi em relação a outras matérias, como o Infarmed.

António Costa salienta que acordo de concertação cumpre Programa do Governo

O primeiro-ministro considerou esta segunda-feira que o acordo de concertação social alcançado em matérias como o combate à precariedade e a negociação coletiva cumpre o Programa do Governo, classificando-o como essencial para a estabilidade profissional dos mais jovens.

Atualizado 19-06-2018 12:13

António Costa diz que é preciso que o país se habitue a não aguardar por tragédias

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou este domingo que o país tem de se habituar "a não aguardar pelas tragédias" para dar importância àquilo que é estrutural, elegendo a floresta e o interior como prioridades.

Atualizado 18-06-2018 13:54

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

IV Festival de Guitarra de Amarante