Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Fim dos cortes nas horas extra na administração pública será faseado

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 12 out (Lusa) - O fim dos cortes no valor das horas extraordinárias na administração pública será feito de forma faseada no próximo ano, de acordo com a proposta do Governo enviada esta madrugada aos sindicatos, a que a Lusa teve acesso.

De acordo com o documento que será discutido esta tarde entre sindicatos e a equipa do Ministério das Finanças, o pagamento do trabalho suplementar ou extraordinário será reposto, mas em quatro momentos ao longo de 2018.

Em janeiro de 2018 será reposto 25% do corte atual, em abril outros 25% e em julho mais 25%. Mas só em 01 de dezembro será feita a reposição integral da redução das horas extraordinárias.

O pagamento não dará lugar a quaisquer retroativos, segundo a proposta.

A proposta inicial do Governo definia uma redução dos cortes, mas não a reposição integral em 2018. O documento anterior estabelecia o pagamento de 17,5% na primeira hora (contra 12,5% atuais) e a 25% nas horas ou frações subsequentes (contra os atuais 18,75%).

Ainda de acordo com a proposta inicial, o trabalho extraordinário em dia normal de trabalho, em dia de descanso semanal, obrigatório ou complementar, e nos feriados, dará direito a um acréscimo de 35% por cada hora de trabalho. Na nova versão, não há alterações.

Segundo a lei do trabalho em funções públicas, a prestação de trabalho suplementar, sem os cortes, dá direito a 25% da remuneração na primeira hora, 37,5% nas horas e frações seguintes e, em dia de descanso semanal, obrigatório ou complementar, e em dia feriado, a um acréscimo de 50% da remuneração por cada hora de trabalho efetuado.

DF// ATR

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Santana Lopes faz fortes críticas a Luís Morais Sarmento

Pedro Santana Lopes, antigo primeiro-ministro e provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, rejeita por completo a hipótese de um bloco central ou de uma coligação com o Partido Socialista. Santana Lopes critica ainda as declarações do seu antigo ministro-adjunto, nas quais Luís Morais Sarmento diz "se for para ficar como está, então votará em António Costa".

Ministro do Trabalho nega conhecimento da gestão da Raríssimas e anuncia inspeção

O ministro do Trabalho e da Segurança Social negou hoje que já tinha conhecimento de denúncias de gestão danosa da associação Raríssimas e anunciou uma ação de inspeção à entidade, a começar nos próximos dias.

António Costa garante que autonomia das escolas não está em risco

António Costa garantiu este sábado que o modelo de descentralização na educação não vai comprometer a autonomia das escolas, algo que a Fenprof receia.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS