Edgar Silva acusa Cavaco Silva de assumir "papel de contra poder"

| Política
Porto Canal com Lusa

Porto, 23 nov (Lusa) - O candidato do PCP às eleições presidenciais, Edgar Silva, acusou hoje Cavaco Silva de assumir um "papel de contra poder" à revelia da Constituição e "degradar" a vida democrática ao fazer exigência ao líder socialista, António Costa.

"O Presidente da República tem de respeitar a vontade do parlamento e dos parlamentares porque sabe e, conhece bem, que foram assumidas razões e condições para a viabilização de uma solução de governo, a não ser que o Presidente da República se queira aproximar de algo que não estaria longe de uma tentativa de golpe de Estado, e não pode ser, isso seria inaceitável e impensável, seria a subversão das regras básicas fundamentais estruturantes do Estado Democrático", disse no Porto, à margem de um encontro com artistas da Cooperativa Árvore.

Edgar Silva realçou que Cavaco Silva está a "degradar" o normal funcionamento das instituições democráticas, assumindo funções que a Constituição Portuguesa não lhe confere.

O Presidente da República pediu hoje ao secretário-geral do PS que desenvolva "esforços tendo em vista apresentar uma solução governativa estável, duradoura e credível" e solicitou a clarificação de questões omissas nos acordos subscritos pela esquerda parlamentar.

SYF // ZO

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Montenegro critica aumento do Imposto sobre os Produtos Petrolíferos por "retirar riqueza aos portugueses"

O presidente do PSD, Luís Montenegro, criticou hoje o aumento do Imposto sobre os Produtos Petrolíferos (ISP), considerando que esta é uma “medida injusta” e que tem tido um “duplo efeito fiscal”.

PS acusa PSD de "problema de consciência" e de querer desmantelar o SNS

O secretário-geral adjunto do PS, João Torres, acusou no passado sábado à noite o PSD de ter um "problema de consciência" em relação ao Serviço Nacional de Saúde e de querer privatizá-lo e desmantelá-lo.

PCP classifica lamentos pela desertificação como "lágrimas de crocodilo" e aponta o dedo às "políticas de direita"

O secretário-geral do PCP, Paulo Raimundo, rejeitou este sábado a ideia de que o interior do país esteja condenado e apontou o dedo às “políticas de direita”, classificando os lamentos pela desertificação como “lágrimas de crocodilo”.