PSD e CDS-PP consideram normais as diligências do Presidente da República

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 23 nov (Lusa) - Os líderes parlamentares de PSD e CDS-PP defenderam hoje que as diligências do Presidente da República são normais dado que, defendem, o PS não apresentou "garantias de governabilidade, estabilidade e durabilidade elementares".

"Tendo o PS afirmado que só derrubaria a coligação vencedora das eleições se dispusesse de uma maioria estável, sólida e coerente com os partidos da esquerda radical, constatamos - como também afirmámos na sexta-feira passada - que o PS não apresentou, até ao momento, garantias de governabilidade, estabilidade e durabilidade elementares num executivo por si liderado nomeadamente quanto a instrumentos essenciais da ação do governo", afirmaram os líderes das bancadas do PSD e do CDS.

Numa nota conjunta enviada à agência Lusa, Luís Montenegro e Nuno Magalhães consideraram "naturais as diligências do Senhor Presidente da República com vista a clarificar e esclarecer as referidas condições de governabilidade".

"Somos institucionalistas e respeitamos o órgão de soberania Presidente da República no exercício das suas competências institucionais, como dissemos na passada sexta-feira", declararam.

Montenegro e Magalhães reiteraram que foi "o PS que abriu uma crise política inédita, ao contribuir e promover com o PCP, o BE, o PEV e o PAN para o derrube de um governo saído de eleições democráticas pela primeira vez em 40 anos".

"Tendo sido o PS a abrir uma crise politica, é o PS o principal responsável por ela", reforçaram.

Em comunicado, a Presidência da República divulgou que Cavaco Silva pediu hoje ao secretário-geral do PS, António Costa, para serem clarificadas seis questões dos acordos assinados com BE, PCP e PEV, nomeadamente a aprovação dos Orçamentos do Estado, "em particular o Orçamento para 2016" e a aprovação de moções de confiança.

O "cumprimento das regras de disciplina orçamental aplicadas a todos os países da Zona Euro e subscritas pelo Estado Português, nomeadamente as que resultam do Pacto de Estabilidade e Crescimento, do Tratado Orçamental, do Mecanismo Europeu de Estabilidade e da participação de Portugal na União Económica e Monetária e na União Bancária", é outro dos pontos mencionados por Cavaco Silva no documento que entregou ao secretário-geral do PS e que foi divulgado pela Presidência da República.

O Presidente da República solicitou igualmente "clarificação formal" relativamente ao "respeito pelos compromissos internacionais de Portugal no âmbito das organizações de defesa coletiva", o "papel do Conselho Permanente de Concertação Social, dada a relevância do seu contributo para a coesão social e o desenvolvimento do país" e a "estabilidade do sistema financeiro, dado o seu papel fulcral no financiamento da economia portuguesa".

O encontro com o secretário-geral do PS realizado esta manhã com o Presidente da República durou meia hora e seguiu-se às 31 audiências realizadas por Cavaco Silva desde 12 de novembro (dois duas depois da queda do Governo) com confederações patronais, associações empresariais, centrais sindicais, banqueiros, economistas e partidos representados no parlamento eleito nas legislativas de 04 de outubro.

A coligação PSD/CDS-PP venceu as eleições de 04 de outubro, com 38,4%, à frente do PS (32,32%), BE (10,19%) e CDU (8,25%). O PAN conseguiu eleger um deputado com 1,39%.

ACL // ZO

Lusa/fim

+ notícias: Política

PS acusa PSD de "problema de consciência" e de querer desmantelar o SNS

O secretário-geral adjunto do PS, João Torres, acusou no passado sábado à noite o PSD de ter um "problema de consciência" em relação ao Serviço Nacional de Saúde e de querer privatizá-lo e desmantelá-lo.

PCP classifica lamentos pela desertificação como "lágrimas de crocodilo" e aponta o dedo às "políticas de direita"

O secretário-geral do PCP, Paulo Raimundo, rejeitou este sábado a ideia de que o interior do país esteja condenado e apontou o dedo às “políticas de direita”, classificando os lamentos pela desertificação como “lágrimas de crocodilo”.

PCP acusa PS de provocar eleições antecipadas para se livrar dos "constrangimentos" provocados pelos comunistas

O secretário-geral do PCP, Paulo Raimundo, acusou este sábado o PS de ter querido eleições antecipadas para se livrar das restrições causadas pelo partido e para começar a causar constrangimentos ao povo.