Costa deve responder hoje mesmo por escrito ao Presidente da República - Carlos César

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 23 fev (Lusa) - O secretário-geral do PS, António Costa, deverá responder por escrito hoje mesmo à clarificação requerida pelo Presidente da República, Cavaco Silva, sobre questões que considera omissas nos acordos de Governo subscritos pela esquerda parlamentar.

Esta informação foi transmitida à agência Lusa pelo presidente e líder parlamentar do PS, Carlos César, depois de o secretário-geral socialista ter sido esta manhã recebido em Belém pelo Presidente da República - audiência que durou cerca de 30 minutos e no final da qual António Costa não prestou quaisquer declarações aos jornalistas.

"O Presidente da República solicitou ao secretário-geral do PS a clarificação formal de questões que, estando omissas nos documentos, distintos e assimétricos, subscritos entre o Partido Socialista, o Bloco de Esquerda, o Partido Comunista Português e o Partido Ecologista "Os Verdes", suscitam dúvidas quanto à estabilidade e à durabilidade de um Governo minoritário do Partido Socialista, no horizonte temporal da legislatura", lê-se numa nota divulgada no 'site' da Presidência da República.

Na nota é também referido que o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, encarregou, o secretário-geral do PS, António Costa, de desenvolver esforços tendo em vista apresentar uma solução governativa estável, duradoura e credível".

PMF/IEL // SMA

Lusa/fim

+ notícias: Política

Montenegro critica aumento do Imposto sobre os Produtos Petrolíferos por "retirar riqueza aos portugueses"

O presidente do PSD, Luís Montenegro, criticou hoje o aumento do Imposto sobre os Produtos Petrolíferos (ISP), considerando que esta é uma “medida injusta” e que tem tido um “duplo efeito fiscal”.

PS acusa PSD de "problema de consciência" e de querer desmantelar o SNS

O secretário-geral adjunto do PS, João Torres, acusou no passado sábado à noite o PSD de ter um "problema de consciência" em relação ao Serviço Nacional de Saúde e de querer privatizá-lo e desmantelá-lo.

PCP classifica lamentos pela desertificação como "lágrimas de crocodilo" e aponta o dedo às "políticas de direita"

O secretário-geral do PCP, Paulo Raimundo, rejeitou este sábado a ideia de que o interior do país esteja condenado e apontou o dedo às “políticas de direita”, classificando os lamentos pela desertificação como “lágrimas de crocodilo”.