Marcelo diz ser estranha e insólita exigência de PR sobre sistema financeiro

| Política
Porto Canal com Lusa

O candidato presidencial Marcelo Rebelo de Sousa considerou hoje "estranha e insólita" a exigência do Presidente da República ao PS relativa ao sistema financeiro, criticando o facto de levantar dúvidas sobre a estabilidade do mesmo.

"Parece-me bem a exigência de que a base de apoio garanta a confiança ao Governo, parece-me bem a garantia da aprovação do primeiro orçamento, parece-me estranha a exigência relativa ao sistema financeiro, falando da situação e do equilíbrio do sistema financeiro. Deixa dúvidas sobre se o sistema financeiro está neste momento em crise, que não está", disse Marcelo de Rebelo de Sousa aos jornalistas, em Lisboa.

O candidato respondia a questões sobre o pedido do Presidente da República para que o líder socialista, António Costa, desenvolva "esforços tendo em vista apresentar uma solução governativa estável, duradoura e credível" e a clarificar questões que considera omissas nos acordos subscritos pela esquerda parlamentar.

Na opinião do candidato a Belém e ex-líder do PSD, "o Presidente da República deve ser a última instituição a levantar a questão da necessidade do equilíbrio do sistema financeiro", considerando "uma coisa insólita" o facto de se levantar esse tema.

+ notícias: Política

Montenegro critica aumento do Imposto sobre os Produtos Petrolíferos por "retirar riqueza aos portugueses"

O presidente do PSD, Luís Montenegro, criticou hoje o aumento do Imposto sobre os Produtos Petrolíferos (ISP), considerando que esta é uma “medida injusta” e que tem tido um “duplo efeito fiscal”.

PS acusa PSD de "problema de consciência" e de querer desmantelar o SNS

O secretário-geral adjunto do PS, João Torres, acusou no passado sábado à noite o PSD de ter um "problema de consciência" em relação ao Serviço Nacional de Saúde e de querer privatizá-lo e desmantelá-lo.

PCP classifica lamentos pela desertificação como "lágrimas de crocodilo" e aponta o dedo às "políticas de direita"

O secretário-geral do PCP, Paulo Raimundo, rejeitou este sábado a ideia de que o interior do país esteja condenado e apontou o dedo às “políticas de direita”, classificando os lamentos pela desertificação como “lágrimas de crocodilo”.