Joaquim Barroca passa para prisão domiciliária sem pulseira electrónica

| País
Porto Canal / Agências
Lisboa, 24 jul (Lusa) - O administrador do Grupo Lena Joaquim Barroca Rodrigues, detido em abril no âmbito da "Operação Marquês", está desde as 13:00 de quinta-feira em prisão domiciliária sem vigilância eletrónica, disse hoje à agência Lusa uma fonte judiciária.

De acordo com a mesma fonte, Joaquim Barroca Rodrigues deslocou-se quinta-feira ao Departamento Central de Investigação e Ação penal (DCIAP) para interrogatório, tendo o juiz dado ordem para a retirada imediata da pulseira eletrónica, mas mantendo-se em prisão domiciliário até ao pagamento de uma caução de 400 mil euros e posterior libertação.

Joaquim Barroca Rodrigues, vice-presidente do Grupo Lena, foi detido a 22 de abril e ficou em prisão domiciliária com pulseira eletrónica, por existirem fortes indícios da prática dos crimes de fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais e corrupção ativa, tendo o Ministério Público alegado que existia, por parte do empresário, perigo de perturbação do inquérito e destruição de prova.

Joaquim Barroca foi a segunda pessoa com ligações ao Grupo Lena a ser detida no âmbito da "Operação Marquês", que investiga fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção, depois da detenção do ex-administrador Carlos Santos Silva, que esteve em prisão preventiva, mas passou para prisão domiciliária em vigilância eletrónica (vulgarmente denominada 'pulseira eletrónica').

Segundo um comunicado do tribunal divulgado após o primeiro interrogatório judicial, além de ficar provisoriamente em prisão preventiva, o arguido ficou também proibido de manter contacto com "qualquer outro membro da administração ou da comissão executiva ou colaboradores das sociedade do grupo Lena", assim como com "qualquer dos outros arguidos já constituídos no inquérito", a saber, "Carlos Santos Silva, João Perna, Gonçalo Trindade Ferreira, José Sócrates, Lalanda de Castro e Inês do Rosário [mulher de Carlos Santos Silva]".

No âmbito da mesma operação, em novembro do ano passado, foi igualmente detido o ex-primeiro-ministro José Sócrates, que está a cumprir a prisão preventiva no estabelecimento prisional de Évora.

DD (SS/FC/CC) // ARA

Lusa/Fim

+ notícias: País

Já são conhecidas as medidas de coação no caso de tráfico humano no Alentejo

O juiz Carlos Alexandre determinou que 23 dos arguidos, todos eles estrangeiros, ficam em prisão preventiva, outros oito que também ficaram com essa medida têm a possibilidade de passar a ter pulseira eletrónica em prisão domiciliária. Quatro portugueses saem em liberdade, mas ficam proibidos de contactos e com apresentações periódicas às autoridades.

Horários alargados em 176 centros de saúde a nível nacional

Quase duas centenas de centros de saúde estão já a funcionar em todo o país com horário alargado, disponível para consulta no portal do SNS, uma medida que visa diminuir a pressão sobre as urgências hospitalares.

Adão e Silva não vai ao Qatar "contra instâncias que dirigem o futebol mundial." As polémicas do ministro-adepto

Pedro Adão e Silva, em entrevista ao semanário Expresso, garante que não vai ao Mundial de 2022 mesmo que a Seleção Nacional chegue à final. O atual ministro da Cultura defende que o seu lugar no futebol “é no Estádio da Luz”.