Juiz do Tribunal da Relação de Lisboa afirma que José Sócrates foi preso sem indícios de corrupção

Juiz do Tribunal da Relação de Lisboa afirma que José Sócrates foi preso sem indícios de corrupção
| País
Porto Canal (DYC)

Juiz desembargador do Tribunal da Relação de Lisboa que votou contra a declaração de especial complexidade do processo Operação Marquês diz que o ex-primeiro-ministro foi preso sem indícios de corrupção.

O juiz José Reis invocou a "imagem do viajante que, perante a largueza da foz do rio, não cuida de descrever, ainda que sinteticamente, o seu percurso desde a nascente, presumindo e dando como adquirido que o abundante caudal que vê diante de si teve origem em tortuosos e recônditos meandros que levaram à formação de tamanha massa de água que se precipitou, sem fundamento ou justificação naquela foz", para insinuar que houve “deslumbramento” por parte da investigação da Operação Marquês.

José Reis afirma que não havia indícios de corrupção quando José Sócrates foi preso e colocado em prisão preventiva por suspeitas de fraude fiscal, corrupção e branqueamento de capitais.

O juiz desembargador deu a conhecer a sua posição num voto de vencido num acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa, que confirmou a declaração de especial complexidade do processo, decretada pelo juiz Carlos Alexandre.

+ notícias: País

Realizador do Porto vence melhor filme nos prémios do Cinema Português

Na 13.ª edição dos Sophia, João Canijo recebeu o prémio de Melhor Realização e conquistou ainda o de Melhor Filme por “Mal Viver”.

Portugal é o 10º melhor país para a comunidade LGBTQIA+

Portugal está de regresso ao top 10 do ranking europeu dos direitos das pessoas LGBTQIA+, naquela que é uma classificação da ILGA Europe que em 2022 colocava o país em 11º lugar. Desde 2016 que o primeiro lugar é ocupado por Malta, seguida de Islândia e Bélgica.

Portugal esgota na terça-feira os recursos deste ano e começa a usar os de 2025

Portugal esgota na terça-feira os recursos disponíveis para este ano, passando a consumir recursos que só deviam ser usados em 2025, indicam dados da organização internacional “Global Footprint Network”.