Antigo Matadouro de Campanhã fica concluído em 2025 para abrir portas em 2026

Antigo Matadouro de Campanhã fica concluído em 2025 para abrir portas em 2026
Guilherme Toga | Porto Canal
| Porto
Porto Canal / Agências

A obra de reconversão do antigo Matadouro Industrial de Campanhã, no Porto, deverá estar concluída no final de 2025 e os espaços como galerias de arte, museus, escritórios e restaurantes deverão estar a funcionar no início de 2026.

Numa visita à obra, nesta quinta-feira, o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, afirmou que a "parte principal do Matadouro estará pronta em 2024" e que a única derrapagem se prende com o edifício nas traseiras do complexo de ligação à estação de metro do Dragão, como o Porto Canal avançou na quinta-feira da semana passada.

"Verificou-se que o muro de apoio vai ter de ser reforçado, ou seja, estava a fazer uma 'barriga' que era alguma coisa que não era expectável e portanto é aceitável que nessa matéria derrape, mas na parte principal que nos diz respeito, vai-nos ser entregue no final do ano", referiu.

Em causa está a travessia por cima da Via de Cintura Interna (VCI), que ligará o complexo à estação de metro, nas imediações do estádio.

Segundo o autarca, os edifícios que ficarão sob a gestão do município serão entregues em bruto, isto é, sem acabamentos.

"Depois, vamos precisar de tempo, porque temos de fazer os acabamentos", referiu, dizendo serem necessários entre 12 a 15 meses para a galeria artística e o Museu das Convergências, onde ficará sediado o acervo da coleção Távora, começarem a funcionar.

"É provável que as empresas se instalem cá em 2026 e nós também, no início de 2026, devemos poder estar cá todos instalados", assegurou Rui Moreira, notando que a obra decorre "dentro dos prazos" garantidos pela Mota-Engil.

"Podemos dizer que no início de 2026 isto estará a funcionar plenamente, cumprindo as nossas expectativas", afirmou.

Rui Moreira destacou ainda que o espaço será ponto de encontro entre "o contemporâneo e a memória", ao manter na nave central as estruturas metálicas onde o gado era transportado, em alusão à atividade que ali decorreu durante 70 anos.

"O Matadouro é a cidade que nós queremos. Aqui encontro tudo, encontro a cultura, a coesão e a economia (...) Este é o projeto âncora não apenas para Campanhã, mas de um projeto político que na altura [em 2013 quando tomou posse para um primeiro mandato à frente da câmara] parecia um pouco improvável", acrescentou.

A visita foi acompanhada pelo arquiteto japonês Kengo Kuma, que assina o projeto de reconversão juntamente com os arquitetos portugueses OODA.

Aos jornalistas, o arquiteto afirmou que a obra pretende criar "um novo centro" na cidade e que um dos principais desafios se prendeu com a preservação do complexo.

Também presente na visita, o presidente do conselho de administração da Mota-Engil, Carlos Mota dos Santos, afirmou que fruto da pandemia da covid-19 e guerra se verificou uma subida de preços dos materiais de construção, que levaram a empresa a procurar "outras soluções", o que "alterou de alguma forma o projeto", como a cobertura que passará a ser "mais leve" face ao aumento do custo do aço.

"Em termos arquitetónicos, de conceito e de volumetria o projeto é exatamente o mesmo que foi a concurso", assegurou.

Questionado sobre a travessia por cima da VCI, Carlos Mota dos Santos assegurou que "a obra de arte" começará no final deste ano e decorrerá ao longo do próximo.

"No final deste ano está concluída a primeira fase de obra, no final de 2025 estará concluído o projeto todo", acrescentou.

O antigo matadouro irá designar-se M-ODU (Matadouro Outro Destino Urbano) e terá capacidade para albergar mais de 2.300 pessoas.

Onze edifícios serão destinados a escritórios, dois a galerias de artes e museus e outros dois a restaurantes. Haverá também espaços de 'coworking' e salas de conferência.

O muro do antigo matadouro será demolido e o complexo ficará aberto à zona Oriental do Porto, estando prevista a criação de uma praça pública, onde também ficará sediada a esquadra da PSP.

As máquinas escavadoras da Mota-Engil entraram em maio de 2021 no complexo, fruto de um investimento de mais de 40 milhões de euros, que será integralmente assegurado pela Mota-Engil. No final dos 30 anos da concessão o equipamento regressa esfera municipal.

+ notícias: Porto

Após sucessivos atrasos, Feiródromo de Campanhã deverá estar pronto em junho de 2025

A Câmara do Porto espera que o Feiródromo de Campanhã esteja pronto em junho de 2025. Tal como avançou o Porto Canal em fevereiro, as obras que deveriam ter arrancado até ao final de 2023 atrasaram. O concurso público para a construção da estrutura acabou por ser lançado apenas há quatro meses, mas só recebeu propostas pelo dobro do preço estipulado.

APDL esclarece que “nunca esteve em causa” retirar os feirantes do cais da Ribeira

A Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL) esclareceu esta quarta-feira que “nunca esteve em causa a retirada” dos feirantes da ribeira do Porto, depois de ter pedido à junta de freguesia para cancelar as licenças.

Antigo Aleixo (re)nasce com promessa de habitação acessível

A Câmara Municipal do Porto aprovou esta quarta-feira a abertura da discussão pública da delimitação da Unidade de Execução do Aleixo para onde está prevista a construção de edifícios em altura e de um parque verde.